ABRUPTO

30.5.13


MENSAGEM ENVIADA AO ENCONTRO DA AULA MAGNA


Caro Presidente Mário Soares,



Não podendo estar presente nesta iniciativa, apoio o seu objectivo de contribuir para  combater a “inevitabilidade” do empobrecimento em que nos querem colocar, matando a política e as suas escolhas, sem as quais não há democracia. Gostaria no entanto de, por seu intermédio, expressar com mais detalhe a minha posição.

A ideia de que para alguém do PSD, para um social-democrata, lhe caem os parentes na lama por estar aqui, só tem sentido para quem esqueceu, contrariando o que sempre explicitamente, insisto,  explicitamente, Sá Carneiro disse: que os sociais democratas em Portugal não são a “direita”. E esqueceu também o que ele sempre repetiu: de que acima do partido e das suas circunstancias, está Portugal.

Não. Os parentes caem na lama é por outras coisas, é por outras companhias, é por outras cumplicidades, é por se renegar o sentido programático, constitutivo de um partido que tem a dignidade humana, o valor do trabalho e a justiça social inscritos na sua génese, a partir de fontes como a doutrina social da Igreja, a tradição reformista da social-democracia europeia e o liberalismo político de homens como Herculano e Garrett. Os que o esquecem, esses é que são as más companhias que arrastam os parentes para a lama da vergonha e da injustiça.


Não me preocupam muito as classificações de direita ou de esquerda, nem sequer os problemas internos de “unidade” que a esquerda possa ter. Não é por isso que apoio esta iniciativa. O acantonamento de grupos, facções ou partidos, debaixo desta ou daquela velha bandeira, não contribui por si só para nos ajudar a sair desta situação. Há gente num e noutro espectro político, preocupada com as mesmas coisas, indignada pelas mesmas injustiças, incomodada pelas desigualdades de sacrifícios, com a mesma cidadania activa e o mesmo sentido de decência que é o que mais falta nos dias de hoje.


A política, a política em nome da cidadania, do bom governo, e da melhoria social, é que é decisiva. O que está a acontecer em Portugal é a conjugação da herança de uma  governação desleixada e aventureira, arrogante e despesista, que nos conduziu às portas da bancarrota, com a exploração dos efeitos dessa política para implementar um programa de engenharia cultural, social e política, que faz dos portugueses ratos de laboratório de meia dúzia de ideias feitas que passam por ser ideologia. Tudo isto associado a um desprezo por Portugal e pelos portugueses de carne e osso, que existem e que não encaixam nos paradigmas de “modernidade” lampeira, feita de muita ignorância e incompetência a que acresce um sentimento de impunidade feito de carreiras políticas intra-partidárias, conhecendo todos os favores, trocas, submissões, conspirações e intrigas de que se faz uma carreira profissionalizada num partido político em que tudo se combina e em que tudo assenta no poder interno e no controlo do aparelho partidário.


Durante dois anos, o actual governo usou a oportunidade do memorando para ajustar contas com o passado,  como se, desde que acabou o ouro do Brasil, a pátria estivesse à espera dos seus novos salvadores que, em nome do "ajustamento" do défice e da dívida, iriam punir os portugueses pelos seus maus hábitos de terem direitos, salários, empregos, pensões e, acima de tudo, de terem melhorado a sua condição de vida nos últimos anos, à custa do seu trabalho e do seu esforço. O "ajustamento" é apenas o empobrecimento, feito na desigualdade, atingindo somente "os de baixo", poupando a elite político-financeira,  atirando milhares para o desemprego entendido como um dano colateral não só inevitável como bem vindo para corrigir o mercado de trabalho, "flexibilizar” a mão de obra, baixar os salários. Para um social-democrata poucas coisas mais ofensivas existem do que esta desvalorização da dignidade do trabalho, tratado como uma culpa e um custo não como uma condição, um direito e um valor.


Vieram para punir os portugueses por aquilo que consideram ser o mau hábito de viver "acima das suas posses", numa arrogância política que agravou consideravelmente a crise que tinham herdado e que deu cabo da vida de centenas de milhares de pessoas, que estão, em 2013, muitas a meio da sua vida, outras no fim, outras no princípio, sem presente e sem futuro.

Para o conseguir desenvolveram um discurso de divisão dos portugueses que é um verdadeiro discurso de guerra civil, inaceitável em democracia, cujos efeitos de envenenamento das relações entre os portugueses permanecerão muito para além desta fátua experiência governativa. Numa altura em que o empobrecimento favorece a inveja e o isolamento social, em que muitos portugueses tem vergonha da vida que estão a ter, em que a perda de sentido colectivo e patriótico leva ao salve-se quem puder, em que se colocam novos contra velhos, empregados contra desempregados, trabalhadores do sector privado contra os funcionários públicos, contribuintes da segurança social contra os reformados e pensionistas, pobres contra remediados, .permitir esta divisão é um crime contra Portugal como comunidade, para a nossa Pátria. Este discurso deixará marcas profundas e estragos que demorarão muito tempo a recompor.

O sentido que dou à minha participação neste encontro é o de apelar à recusa  completa de qualquer complacência com este discurso de guerra civil, agindo sem sectarismos, sem tibiezas e sem meias tintas, para que não se rompa a solidariedade  com os portugueses que sofrem, que estão a perder quase tudo, para que a democracia, tão fragilizada pela nossa perda de soberania e pela ruptura entre governantes e governados, não corra riscos maiores.

Precisamos de ajudar a restaurar na vida pública, um sentido de decência que nos una e mobilize. Na verdade, não é preciso ir muito longe na escolha de termos, nem complicar os programas, nem intenções. Os portugueses sabem muito bem o que isso significa. A decência basta.




(url)


LOGO, A NOITE

Colocarei aqui o texto integral da mensagem enviada ao encontro da Aula Magna dirigido por Mario  Soares.

(Escrito em transito, sem acentos.)

(url)

27.5.13


 O MATERIAL TEM SEMPRE RAZÃO (17): CORTINAS DE FUMO


A razão principal pela qual tem havido sucessivas revisões dos valores do défice aceites pela troika é que o governo não tem conseguido cumprir as metas que negociou já após o memorando inicial. Não foi porque não tentasse, - tentou tudo, - não foi porque quisesse abrir uma janela para o "crescimento", como a propaganda insinua. Foi porque não o conseguiu, pelo irrealismo da sua política, que teve como efeito destruir a economia que havia, para depois "surpreender-se" pelo desemprego e a recessão, e os seus custos orçamentais. As sucessivas "explicações" dadas para a sistemática revisão da meta do défice, todas têm em comum esconder este dado essencial do falhanço próprio, transformando em mérito o que foi um erro, e impedir que se façam muitas perguntas incómodas sobre o presente e o futuro, ante e pós-troika.


(url)


APELO DO EPHEMERA
 
Numa altura em que várias campanhas estão em curso, foram já publicadas no EPHEMERA cerca de 50 pastas relativas às eleições autárquicas de 2013, uma infíma parte dos milhares de candidaturas de partidos e independentes, a centenas de concelhos e milhares de freguesias. Nas eleições de 2009, o EPHEMERA publicou materiais de mais de dois terços dos concelhos e um número significativo de freguesias, a maior cobertura jamais feita na Rede e fora dela de umas eleições deste tipo, muito difícil dada a dispersão geográfica e a diversidade de candidatos, partidos e campanhas independentes. Foi um esforço colectivo em que participaram cerca de 100 amigos do EPHEMERA de todo o país, assim como muitos candidatos e responsáveis de campanhas. Esse trabalho foi complementado por várias viagens para recolha de material numa fase mais avançada das campanhas. Muitos materiais de 2009 estão ainda por publicar, assim como muitos outros de campanhas anteriores existentes em arquivo. Vou tentar garantir a publicação de maior número desses materiais anteriores, mas RENOVO DESDE JÁ O APELO A TODOS OS AMIGOS E COLABORADORES PARA SE COMEÇAR A RECOLHA DAS ELEIÇÕES DE 2013.

NOTA: dada a natureza do ARQUIVO / BIBLIOTECA o objectivo principal é a recolha física dos materiais de campanha (panfletos, cartazes, objectos de campanha, T-shirts, autocolantes, etc.), e não apenas a reprodução dos materiais online disponíveis na Rede. É óbvio que a existência de digitalizações facilita a colocação dos materiais no EPHEMERA poupando trabalho, mas a recolha física é fundamental para permitir a exposição ou investigação a partir da integralidade do espécime. Existe um projecto de uma grande exposição de muitos destes materiais cobrindo a actividade política em Portugal desde o 25 de Abril, em conjunto com uma universidade, e várias cedências de materiais tem sido feitas para pequenas exposições ou para reprodução em livro. Por isso a materialidade física é importante e nesse sentido não só é possível fazer entregas pessoais, programadas para qualquer parte do país, quer envios pelo correio para José Pacheco Pereira / EPHEMERA, Rua Brito Camacho, 1, 2040-158 Vila da Marmeleira, Rio Maior.
Obrigado.

(url)


EARLY MORNING BLOGS  

2319
 
"Entre o conhecimento do bem e do mal há uma grande diferença: o mal conhece-se quando se tem e o bem quando se teve; o mal, quando se padece, o bem, quando se perde."
 
(Padre António Vieira) 

(url)


ESPÍRITO DO TEMPO:  HOJE

Passagem do tempo por um banco do jardim de S. Amaro. (RM)

(url)

26.5.13


O GOSTO E O DESGOSTO



Muitas das semanas em que escrevo para o PÚBLICO tenho o dilema habitual de quem tem de escolher o assunto sobre o qual deve escrever e não aquele sobre o qual gostaria de escrever. Às vezes juntam-se os dois, o dever e o gosto, mas com a vida pública estagnada nas profundezas, mas agitada à superfície, o dever torna-se tão repetitivo e sombrio, que o gosto brilha ainda mais no escuro lá longe. Seja, faz parte dos tempos.

Na verdade, se escrevesse sobre o que me apetecia, escreveria sobre arquitectura romana como amador curioso, sobre a extrema-esquerda ou o PCP como historiador, ou sobre papéis antigos e em risco como caçador-recolector. Arquitectura romana? Sim, nos meus tempos de iPad, tenho seguido as aulas de Yale da professora Diana Kleiner sobre arquitectura romana e aprendido muito. Mandei vir o livro clássico sobre arquitectura imperial romana, o Ward-Perkins, e como estes cursos são a sério - 25 aulas de uma hora - aprende-se muito. De Roma à Atenas romana, de Ostia a Leptis Magna na Líbia, de Petra na Jordânia a Balbeek no mortífero Vale de Bekaa entre o Líbano e a Síria, a análise que Kleiner faz dos edifícios de todo o tipo, templos, armazéns, casas, palácios, lojas, túmulos, teatros, deu-me uma dimensão muito diferente do império romano muito para além dos textos que lera e da história. Agora tenho de ver com outros olhos muitos dos edifícios que vi mal e ir ver alguns que nos guias aparecem apenas como curiosidades. Excelente, nunca é tarde para aprender e o mundo seria muito mais aborrecido se não fosse assim.

Para além disso, faço nestes dias o meu book tour do livro sobre a imprensa da extrema-esquerda, e escrevo o próximo volume da biografia de Cunhal. Poderia, com facilidade e gosto, escrever sobre tudo isto, explicar a dificuldade que cada volume de Cunhal oferece, sempre diferentes entre si. Fazer uma "estória" da história. Antes de 1960, rareavam os depoimentos e os documentos é que permitiam a narração. Havia os manuscritos de Pato, com notas que permitiam reconstruir o interior das reuniões do topo do PCP, perante o silêncio dos participantes que ainda eram vivos. Agora, para os anos 60, há muitos depoimentos e testemunhos, mas há menos documentos acessíveis do núcleo duro do poder partidário. A PIDE não apreendeu nenhum grande arquivo central do PCP depois das prisões de 1961 e o PCP passou a mandar para fora de Portugal os papéis, que depois do 25 de Abril trouxe e fechou. E, como se sabe, a memória é perigosa sem os papéis. 

Poderia também escrever no PÚBLICO de como é interessante traçar a génese do Rumo à Vitória, a principal obra teórica de Cunhal, como o autor a preparou em Moscovo, com que apoio e com que fontes, e, como, por detrás da "linguagem de pau", aparece um Cunhal muito mais nacionalista do que se pensa, e um homem que dedicava mais atenção aos campos do que às fábricas. Ou, de como Cunhal, contrariamente ao que diziam os esquerdistas, se preocupou (e tentou) desencadear acções armadas praticamente desde que fugiu da cadeia e a contraciclo da URSS de Khrustchov. 

E há aquilo que, depreciativamente, alguns classificam do meu lado de coleccionador, lado para que durmo melhor, sendo que durmo bastante bem para todos os lados. E, aí, gostaria de falar daquilo que os bibliófilos compulsivos também fazem, da recolha semanal, do prazer de salvar um núcleo de documentos originais sobre a campanha eleitoral de Delgado, ou sobre a história do movimento estudantil nos anos 60, ou jornais do século XIX, uma espécie ameaçada, ou de como, num álbum de fotos do Carnaval na região oeste, nos anos 10 e 20 do século passado, me apareceu uma fotografia original do 5 de Outubro, ou de como num caderno de notas está uma muito interessante história de Salazar seminarista que nenhum dos seus biógrafos conhece. 

Ou seja, não faltam temas para escrever a gosto. Mas há os temas a desgosto, há "outra" semana, mais cruel e dura e conforme com os tempos. Na rua, as pessoas que me falam, e são cada vez mais, transmitem desespero, medo e muita raiva. Querem ter "voz", porque não a tem.

Uma completa desmotivação, uma forma elegante de referir uma invisível greve de zelo, atravessa o Estado e a sociedade, resultado da perda de tónus social que vem do empobrecimento. Funcionários públicos aviltados que quereriam fazer greve, mas sabem que vão ser as "chefias" a decidir quem vai para o Sistema de Requalificação da Administração Pública, nome orwelliano para o despedimento. 

Há quem perceba que, pela primeira vez, não tem dinheiro para pagar impostos e percebe que a partir de agora a vida vai ser um calvário do "outro lado da Lua". Há quem, reformado e idoso, receba uma carta ameaçadora de um senhorio pedindo cinco, dez vezes mais, com ameaça de o pôr na rua da sua habitação de há 30 anos. Isto já depois de ter actualizado a renda. Há quem, como toda a correnteza de pequenas lojas comerciais da Baixa de Lisboa, restaurantes, cafés, alfarrabistas, clubes centenários, vá para a rua nos próximos meses, porque os senhorios decidiram "fazer obras". O mais dramático disto tudo é que a lei está tão mal feita que vai acabar de certeza por ser corrigida e muitos aspectos mais gravosos serão suspensos, mas deixando para trás um rastro de sofrimento e insegurança escusada. 

À minha volta, no centro de Lisboa, vai fechar dentro de dias uma mercearia que aguentou várias décadas de "proximidade", ou seja, de fiado e vizinhança. Várias lojas de uma urbanização trendy, que foi prevista para restaurantes da moda, lojas de roupa fina, galerias de arte, agências de viagem e de real estate, já desapareceram há muito. Uma muito activa e numerosa família paquistanesa vai ocupando com os seus negócios, malas e géneros, quinquilharia e pequenos serviços, as lojas preparadas para serem gourmet e venderem apartamentos de luxo. Ironia das ironias foi a rápida mudança de uma agência imobiliária para pequena mercearia com um jovem que mal fala português vendendo aquilo que as lojas de conveniência indianas e árabes vendem: refrigerantes, bolachas, latas de conserva, fruta e, num armário fechado, umas versões bizarras de whisky e vodka de marcas desconhecidas. 

Por mim até está bem, dá-me mais jeito. Porém, a maioria das lojas permanece fechada, e, para além desta pequena Islamabad, desaparecerem as lojas de informática, as tabacarias, e há agora umas lojas brasileiras oferecendo depilação integral, umas pedras para colocar nas costas e uma loja de unhas e cabelos fulvos, também brasileira. Não vão durar muito.

Os meus interlocutores e amigos das outras classes mais de cima, chamemos-lhe assim, também não sabem para onde se virar. Alguns, patrões e trabalhadores em uníssono, contam-me como são ao mesmo tempo dramáticas e ridículas as reuniões da concertação social, onde, com a política demagógica de "acabar" com as chefias, se entregou as assessorias e consultadorias a uns jovens das jotas cuja incompetência é "épica" para tratar de questões sérias. 

A inutilidade de todo o esforço das pessoas, a quem milhares de milhões já foram retirados não se sabe para quê e com que resultados, leva a tudo que pareça autodefesa face ao poder. Muita gente tira o dinheiro dos bancos para o colocar no colchão, e, como se sabe, nos balcões mais populares, encenam-se mil e uma estratégias para dificultar tal retirada como se o dinheiro fosse do banco e um crime retirá-lo. Irá, a seu tempo, aparecer nas estatísticas. Gente pequena que tinha pequenas poupanças que sabe estarem agora inseguras. Para eles ser abaixo dos 100.000 euros ou acima é irrelevante: os bancos deixaram de ser fiáveis e o Governo parece ser capaz de tudo "para ir buscar dinheiro". 

Podia continuar sem limite, olhando à esquerda, direita, centro, para cima e para baixo. Compreendam que, neste contexto, eu quero pouco saber das habilidades de Portas, ou das sistemáticas fugas de informação destinadas a nos enganar, ou de um governo que parece estar nas vascas da agonia, mexendo-se sem nexo, mas com muito ruído, ou de uma agenda comunicacional que aceita sem reservas a linguagem, os temas e os limites do poder. E as distracções. 

Voltando a Roma, haverá um tempo em que a damnatio memoria apagará estas faces patéticas e fugazes. Só que depois de muitos estragos e depois de muito tempo. E custa.

(url)



O CONSELHO DE ESTADO IRREAL 


 Basta ler com atenção o bizarro “comunicado” que foi publicitado depois da reunião para perceber que ela não correu nada bem nem para o Presidente, nem para o governo. A decisão de convocar o Conselho de Estado com uma agenda fechada, remetida para um futuro “pós troika” cujas características estão longe de poderem ser conhecidas é tão evidentemente escapista que, no actual contexto político, o que aconteceu não pode ser aquilo que o comunicado descreve. 

Esta forma de convocar a reunião é o corolário do desejo presidencial de que nada mude no quadro governativo no próximo ano, de que não haja eleições antecipadas nem agora, nem no fim do “programa”. Trata-se de um puro desejo, que assume ares de irrealismo, visto que não passou uma semana desde que o Presidente veio de uma crise política muito séria e está a assistir a um agravamento da desagregação da coligação e do governo com episódios cada vez mais próximos no tempo. Suspira de alívio num dia, para logo se sobressaltar no dia seguinte. 

A situação do governo é parecida com aqueles vulcões que antecedem a erupção com tremores de terra cada vez mais frequentes e sucessivos até explodirem de todo. O Presidente, embora avisado pelos vulcanologistas que o Pico de Dante está para explodir, não quer que evacuemos a cidadezinha para não assustra os turistas. Sabe-se como é nos filmes catástrofes.



 O COMUNICADO EM “PASSOS COELHÊS” 

 O comunicado do Conselho é um ecrã, que tapará a realidade da reunião até muita gente que lá esteve começar a conta-la. É provável que à data em que lerem este artigo já se saiba quase tudo. Mas fica uma perplexidade e uma preocupação. Veja-se o título da ordem de trabalhos: “Perspectivas da economia portuguesa no pós-troika, no quadro de uma União Económica e Monetária efectiva e aprofundada”. 

Veja-se o comunicado a informar-nos que o “Conselho debruçou-se sobre os desafios que se colocam ao processo de ajustamento português no contexto das reformas em curso na União Europeia e tendo em vista o período pós-troika”. E mais se “debruçou”, interessante escolha de verbo, como numa varanda, sobre “a perspectiva do reforço da coordenação das políticas económicas e da criação de um instrumento financeiro de solidariedade destinado a apoiar as reformas estruturais dos Estados-Membros, visando o aumento da competitividade e o crescimento sustentável". 

 E por fim este truísmo que é, ao mesmo tempo, tudo e nada: “o Conselho de Estado entende que o programa de aprofundamento da União Económica e Monetária deve criar condições para que a União Europeia e os Estados-Membros enfrentem, com êxito, o flagelo do desemprego que os atinge e reconquistem a confiança dos cidadãos, devendo ser assegurado um adequado equilíbrio entre disciplina financeira, solidariedade e estímulo à actividade económica"

Porque é que isto me preocupa? É que isto é “passos coelhês”, a linguagem enrolada e pesada, obscura e tecnocrática, habitual no Primeiro-ministro quando não quer dizer nada ou quando as palavras saem entarameladas ou por incompetência ou por dolo. Por favor, se não se quer dizer o que aconteceu, faça-se um comunicado de duas linhas: o Conselho discutiu vários temas da actualidade nacional e europeia, tendo os conselheiros exprimido a sua opinião ao Presidente da República.” Chegava e era escrito em português comum. E era mais verdadeiro.

(url)

22.5.13


DAQUI A UMA SEMANA
NAS LIVRARIAS


"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."

Ruy Barbosa (1849-1923)

(url)


 O MATERIAL TEM SEMPRE RAZÃO (16): APRENDER DEPRESSA

Veja-se como o novo ministro das relações públicas do governo, Poiares Maduro, aprendeu depressa a falar "politiquês" e a mentir na linguagem orwelliana do governo.

Exemplos: 
Quero desmistificar essa questão de não haver consenso dentro do governo”, (...) “Paulo Portas [no Domingo] disse basicamente o mesmo que o primeiro-ministro” na sexta-feira, argumentou o ministro-adjunto, afirmando que depois dos dois discursos construi-se uma “narrativa imediatamente, que é frequente em Portugal “desse dissenso” dentro do Governo.

(...) as diferenças entre membros do Governo são positivas e que “só demonstra a capacidade de liderança do primeiro-ministro, poder ter um Governo com várias personalidades fortes e isso não é problemático”. No entanto, Poiares Maduro deixa o recado: “Desde que depois exista uma convergência”, o que na sua opinião “é e tem sido o caso”. (...)  o líder do CDS “disse basicamente o que disse o primeiro-ministro.
 - Foi certamente por isso que só a N..S. de Fátima salvou o governo de cair há uma semana.

*
"Diria uma coisa, e essa crítica faço-a aos parceiros sociais, eu fui para a reunião para discutir o acordo de parceria dos fundos comunitários e grande parte das intervenções dos parceiros sociais não foram sobre esse tema, para que a concertação social seja útil e funcione bem é importante que ambas as partes vão preparadas e contribuam eficazmente para o tema"
 , ou seja só se discute o que o governo quer que se discuta. É isto o "consenso".

*

E há muito mais. Aleluia! o governo já tem "comunicação política". O problema é que é igual à que existia. O material tem sempre razão.

(url)

16.5.13


ACERTAR NAS PREVISÕES


Para acertar nas previsões políticas em Portugal basta seguir uma regra básica: prever o pior que é possível, usar da Lei de Murphy de que se uma coisa pode correr mal, muito provavelmente ela correrá mal, e esperar. Nem sequer é preciso esperar muito. Todos os comentadores e analistas que não seguem esta regra enganam-se ou então tem que fazer uma série de piruetas para encaixar o que acontece naquilo que juravam que nunca acontecia. É, como já escrevi, da natureza do “material” e “o material tem sempre razão.”

(url)

14.5.13


 O MATERIAL TEM SEMPRE RAZÃO (15): COMO É QUE AS COISAS SE FAZEM

Hoje uma parte do contínuo que vai dos blogues políticos para as empresas “de comunicação”, para a prestação de serviços às autarquias da mesma cor política dos blogues, para as campanhas eleitorais, representa efectivamente mais uma variante daquilo que no passado aconteceu com as empresas criadas por militantes partidários para aceder aos fundos europeus, cujo "negócio" dependia apenas do acesso à informação e às pessoas. Era e é um círculo vicioso e uma forma de corrupção política, muitas vezes vista com complacência por muitos  jornalistas cuja proximidade com estes "meios" é grande. Hoje já não é na "formação" que este tipo de "negócios" se fazem (acabaram os fundos), mas são muito comuns no mundo dos serviços "de comunicação", e envolvem milhões de euros.

O mecanismo é sempre o mesmo: uns jovens “empreendedores” bem colocados nas redes partidárias (nas “jotas” ou no partido), ou com amizades “políticas” criadas em blogues, em causas comuns que chamaram a atenção dos detentores do poder partidário ou governativo, criam "empresas" que acedem a contratações ou negócios ou subsídios sem concurso publico, e que depois, com contratos formais ou sem eles, "ajudam" nas campanhas eleitorais. Muito dinheiro circula por aqui. 

(Vejam-se as pessoas, as "empresas", as campanhas, as autarquias e as circunstâncias referidas aqui, aqui, aqui e aqui.)

(url)


O GUIGNOL


No início do século XIX apareceu em Lyon um nova versão do teatro de marionetes com uma personagem central que deu o nome à cena: Guignol. Muitas das suas personagens são idênticas às da Commedia dell"Arte italiana e incluem variantes do Arlequim, do Polichinelo, uns criados oportunistas, uns "burgueses", um militar façanhudo, um polícia e vários ladrões, uns ingénuos e uns espertos, umas damas de virtude assanhada e outras de costumes fáceis, etc., etc. A actividade mais popular no Guignol é a pancadaria, sendo que a cabeça dos bonecos tem sempre que ser feita de madeira dura para permitir a repetida cena de uma ou várias personagens andarem com um pau a bater na cabeça uns dos outros. Se se quiser dizer em português, o Guignol é uma fantochada.


A imagem do Guignol, cujas variantes nacionais ainda estão nas minhas memórias de infância, perseguiu-me toda a semana passada enquanto assistia ao espectáculo dado pelas sucessivas declarações de Passos Coelho e Paulo Portas, os arrufos e as declarações de amor perpétuo, os elogios da corte de servidores, a admiração dos jornalistas e comentadores com a supina inteligência de um e a incompetência "mediática" do outro, num jogo de cena penoso de se ver, diante de milhões de pessoas a empobrecer, desempregadas, ameaçadas nos seus direitos mais básicos, velhos sem qualquer alternativa atirados aos cães da "convergência das pensões". Era Guignol do mais perfeito: pauladas, tiradas retóricas, choros e arrependimentos, mentiras e maldades. 


A sequência rápida destas últimas semanas diz tudo sobre como estamos. Comecemos pelo chumbo do Tribunal Constitucional, seguida das declarações de fúria governamental, da cena de silêncio e ida a Belém (porquê?), do despacho vingador de Vítor Gaspar, que continua em vigor e ninguém aplica porque é impraticável; das fugas de informação de que as reuniões do Conselho de Ministros são campos de batalha entre facções do Governo, detalhadamente contadas ao Expresso, a Marques Mendes, a Marcelo, a qualquer órgão de informação que queira saber; do discurso autocastrador de Cavaco Silva no 25 de Abril; do plano abstracto de "fomento industrial", anunciado com tanta pompa quanto o vazio de concretização, por uma facção do Governo ligada ao "crescimento"; da Assembleia informada de que terá direito a ver um documento essencial para o futuro do país, "uns minutinhos antes" de Bruxelas; da Assembleia informada de que pode discutir os créditos swap, mas que o acesso ao relatório que iliba a secretária de Estado (e feito sob sua direcção) permanece "confidencial"; do Documento de Estratégia Orçamental apresentado pela outra facção do Governo, a do "rigor orçamental", da ordem do imaginário (e aprovado por Portas que também o acha "irrealista"), dos anúncios sobre anúncios que não anunciam nada, do "será para depois de amanhã", "afinal os pormenores serão só para depois", etc., etc. "Menus de propostas", uma ridícula denominação, de vários tipos: anunciadas; anunciadas mas vetadas por outro ministro do mesmo Governo; anunciadas mas "abertas" para se cumprir o ritual da concertação social, e o novo ritual do "consenso"; propostas "equacionadas"; propostas que quando dão torto passam a "hipóteses" de trabalho (sendo que os números divulgados noutros documentos de "poupanças" são as das "hipóteses" e não as das propostas...), propostas em versão A e B e C, mudadas no espaço de uma semana; propostas terroristas passadas em fugas à comunicação social para ver no que dá e para depois vir o Governo congratular-se por afinal não ir fazer tão mal aos cidadãos como tinha "soprado" a uma imprensa que publica tudo; não-propostas e antipropostas da ordem da matéria negra e da antimatéria. Alguém me sabe ou pode dizer, a uma semana do seu anúncio, que medidas estão efectivamente decididas? Ninguém.


O "menu de propostas" parece aqueles menus desleixados em que uma cruz significa que o prato já não há, e depois, quando se pede outro, já não há os ingredientes e é melhor escolher o que não se tinha escolhido; ou aqueles menus dos restaurantes de luxo em que um palavreado destinado a épater le bourgeois, como "emulsão de chouriço", "vinagrete de citrinos" ou "sardinha em seu suco", ocultam pouco mais do que uma folha de alface com Aceto Balsamico de Modena feito na Bairrada. E quanto aos preços do "menu" não há um único que bata certo. Os do Documento de Estratégia Orçamental não são os mesmos dos de Passos Coelho, nem os de Portas, nem os da contabilidade do "menu de medidas", nem os do secretário de Estado Rosalino, nem os que são dados nas reuniões de concertação social. São todos em milhares de milhões de euros, mas nada bate certo e não é só nas previsões, é nos números com que se parte para as previsões. 


Depois há o uso cada vez mais ofensivo da instabilidade, da chantagem e do medo para pôr as pessoas na ordem. Veja-se o que se passa com os despedimentos da função pública, que, se o Governo pudesse sem violação da lei e da Constituição, seriam às dezenas de milhares, amanhã mesmo. Mas como não pode, usa-se uma combinação de chantagem - as rescisões "por mútuo acordo" - com a colocação de milhares de trabalhadores na absurda (e ilegal) situação de manterem um vínculo ao Estado sem receberem um tostão de salário. E como o Governo percebeu que talvez, mesmo apesar dos inconvenientes pessoais da chamada "mobilidade especial", pudesse haver um número significativo de funcionários que a pudessem aceitar em desespero de causa, e como o objectivo, por detrás dessa tralha verbal tecnocrática, é só despedir, vem agora dizer que "precisamos de transformar o Sistema de Mobilidade Especial num novo Sistema de Requalificação da Administração Pública, com o objectivo de promover a requalificação dos trabalhadores em funções públicas, através de ações de formação". Poderíamos dizer que teria havido um progresso, visto que se pretendia apenas "requalificar" os trabalhadores. Mas se é assim por que é que a frase seguinte é "... e da introdução de um período máximo de 18 meses de permanência nessa condição, pois não é justo para a pessoa, nem é boa administração do Estado, perpetuar uma situação remuneratória que já não tem justificação laboral", ou seja "requalificar" significa despedir? Estes jogos de palavras orwellianos são tão habituais neste Governo como respirar. E eles estão ofegantes.


É uma descrição dura e desapiedada a que faço? Ainda me parece mole e meiga, porque a dimensão de Guignol, de engano, de dolo, de nos querer tomar por tolos, é compulsiva. Não é para levar a sério, mas é muito sério. É muito sério porque disto tudo fica um resíduo, um rasto, uma saliva marcando as paredes, uma babugem qualquer, de medidas, ordens avulsas, leis e directivas, despachos que destroem sem sentido a vida a muitas pessoas que estão a pagar um tributo demasiado caro à vaidade do dr. Portas, ao profetismo ignorante de Passos Coelho, à obstinação tecnocrática de Gaspar, ao servilismo dos deputados do PSD e do CDS, e à cumplicidade de muitos interesses. Esse tributo, que vai ser inútil porque dele não virá qualquer adquirido para os problemas do país, torna este Guignol criminoso. 


E não me venham com desculpas, nada disto tem a ver com o facto de haver uma coligação, nada disto mostra inteligência, mas apenas esperteza, nada disto mostra qualquer preocupação com o país, mas apenas instinto de sobrevivência eleitoral, nada disto mostra qualquer sentido de Estado mas apenas truques de imagem mediáticos, nada disto tem a ver com Portugal nem com os portugueses, mas com um sistema político corrompido pela sua ruptura com o povo e a nação. Guignol por Guignol prefiro o verdadeiro.

(url)

12.5.13


EARLY MORNING BLOGS  



2318


Молоде́ц про́тив ове́ц, а про́тив молодца́ -- и сам овца́.

"Bravo com os carneiros, carneiro perante os bravos. "

(url)

10.5.13


PIOR QUE HÁ DOIS ANOS

Estamos hoje pior do que há dois anos quando se pediu o resgate internacional: Portugal, a democracia, a economia, as finanças, a sociedade. Claro que tudo isto é muito relativo, visto que se trata apenas de graus de mal - estávamos muito mal há dois anos, estamos pior agora. A última coisa que isto deve consolar ou isentar é os autores do mal de há dois anos, mas também, em nome desse mal, não se deve esconder o que piorou. O que piorou é que um elemento essencial em democracia, a existência de margem de manobra, ou seja, de escolhas, diminuiu exponencialmente nestes dois anos, sem que nenhum problema de fundo tenha sido resolvido e sem que haja qualquer melhoria que não seja tão frágil como o fino gelo em que andamos.

Pior, nenhuma melhoria adquirida, mesmo que se aceitem as melhorias enunciadas no discurso governamental (défice estrutural, balança comercial, regresso tímido e apoiado ao mercado), é sustentável, nem por persuasão democrática (o que me interessa) nem à força (o que passa pela cabeça dos que defendem a ilegalidade em nome da "economia", seja no abandono do primado da lei e do direito em nome do "programa" seja na ultrapassagem da Constituição). É por isso que se está pior.


Explico-me. Há dois anos, o ministro das Finanças de Sócrates, para impor o resgate externo, mandou o recado para os jornais de que não havia dinheiro para salários e pensões. Esta semana, o primeiro-ministro, Passos Coelho, veio dizer o mesmo: ou prosseguimos as políticas que ele propõe, ou não há dinheiro para salários e pensões. Descontando o elemento chantagista do argumento, que é igual há dois anos e hoje, o que podemos concluir é que nada foi adquirido e que estamos na mesma, vivemos a um mês de não ter dinheiro para salários e pensões. 


Se se aceita a veracidade do argumento, a pergunta a fazer é que significado teve o sacrifício dos portugueses nestes dois anos, em que cada pacote de austeridade foi sempre apresentado como último, para ser logo a seguir anunciado um novo, quando o Governo não conseguia os resultados que pretendia com o anterior. Em finais de 2011, Passos Coelho, quando questionado sobre se bastava o corte de meio subsídio de Natal, respondeu que sim. Logo a seguir, quando do anúncio do fim dos subsídios de Natal e de férias, quando questionado sobre se era suficiente, respondeu que sim. Em 2012, quando subiram os impostos, questionado sobre se chegava, Passos Coelho respondeu que sim. Em 2012, quando anunciada a subida da TSU, questionado sobre se essa medida seria eficaz, Passos Coelho respondeu que sim. Em 2012, quando se anunciou o "enorme aumento de impostos", que seria apenas para 2013, Passos Coelho garantiu que sim. Em 2012 e 2013, quando começou a falar da "refundação do Estado" e dos quatro mil milhões, questionado sobre se isso resolvia o problema de adequar o financiamento do Estado aos recursos que os "portugueses estariam dispostos a pagar", Passos Coelho respondeu que sim, esta reforma era "estrutural" e por isso fechava o "problema". 


A cada pacote de austeridade foi sempre pedido mais do que no pacote anterior e todas as medidas estão a ser cumulativas, e as que eram provisórias para 2011, 2012, ou 2013 continuam em aplicação para 2014, 2015, 2016, 2017, e algumas o ministro das Finanças aponta para 2020-2030. De medidas destinadas a resolver a situação de emergência de 2011-4, passaram a medidas para uma geração ou duas. Qualquer pessoa que tenha uma mínima ideia do que é uma democracia percebe que isto é errado, ilusório, mágico, milagroso, ou melhor ainda, um completo disparate. 


Há dois anos, o país tinha sido posto na bancarrota pelos delírios de José Sócrates e pelo esbanjamento escandaloso dos seus "programas de bandeira" e tivera de, in extremis, pedir ajuda internacional e negociar o memorando. Não me interessam os pormenores da "narrativa" socrática, porque com mais ou menos culpa da situação internacional e do PSD, no essencial foi dele a responsabilidade. Porém, nessa situação de "emergência", havia em democracia uma margem considerável de manobra e os mecanismos democráticos podiam funcionar acrescentando factores positivos à crise que se vivia, ou seja, "saídas". 


Um desses mecanismos foi as eleições, permitindo que o sentimento da primeira grande manifestação "indignada", contra Sócrates, pudesse ter expressão nas urnas. O eleitorado varreu Sócrates e o PS do poder com o mesmo mecanismo de rejeição com que ele tinha varrido Santana Lopes, ambos em resultado da interrupção de governos em funções. Acresce que dessas eleições resultou uma maioria parlamentar do PSD-CDS, que, em abstracto, era uma solução muito melhor do que a minoria do PS para gerir um período de crise e dificuldades. O aspecto negativo foi uma campanha eleitoral baseada no logro, embora o conhecimento público do memorando da troika trouxesse aos eleitores algum sentimento de realismo sobre os tempos que aí vinham.


A todos estes resultados - "actualização" excepcional dos sentimentos populares pelas eleições, maioria parlamentar, mudança de pessoal político - podia acrescentar-se por parte da maioria dos portugueses um sentimento muito raro em democracia: de que seria legítimo pedir sacrifícios, que estavam dispostos a fazer, desde que moderados, a prazo e, acima de tudo, feitos com justiça e equidade. Por seu lado, no sistema político, o PS fragilizado e recém-signatário do memorando, estava comprometido com a governação, e as centrais sindicais abertas a negociações, mesmo que, como a CGTP, não o dissessem. Havia por isso, uma margem considerável de manobra política e social, em democracia. Ela iria inevitavelmente conhecer alguma erosão com a austeridade, mas existia em 2011 a seguir às eleições.


É à luz destes factos que o Governo de Passos Coelho cometeu todos os pecados capitais que hoje paga em termos de impasses e bloqueios políticos, com um isolamento parecido com o de Sócrates terminal, e com uma perda de legitimidade e credibilidade. Esses erros começaram na desvalorização da gravidade da crise recebida, e na hipervalorização do memorando como instrumento de engenharia social, económica e política. O Governo menorizava a amplitude da crise, porque a considerava catártica e uma "oportunidade", e estava felicíssimo com o pretexto que o memorando lhe dava para "revolucionar Portugal". 


O "memorando era o programa do PSD", como disse Passos Coelho, impante da sua importância e papel como sendo aquele que iria mudar a face do país, da economia, o grande modernizador, que iria combater os "vícios do passado" e os maus hábitos dos portugueses, cheios de direitos e "pieguice". O conteúdo das suas declarações iniciais, utópicas e proféticas, encontrou em Gaspar o típico executor burocrático que era suposto trazer a eficácia da tecnocracia para a prossecução da "revolução". Gaspar acabou por ser o Mestre e não o Executor, mas isso também era previsível. 


As opções radicais, milenares e proféticas, implicaram um excesso de zelo e uma pressa de rolo compressor, tentando esmagar a "velha" economia e os "velhos" hábitos o mais rápido e violentamente possível, para depois, sobre as ruínas, se erguer o Portugal disciplinado, competitivo e alemão. Por isso, nenhum acordo com o PS, nenhum sério envolvimento dos parceiros sociais, nenhum esforço de "consenso" tinham sentido. Era um programa para os fiéis sem dúvidas, obstinados e cegos a tudo o que não fosse o "ir para além da troika", "custe o que custar". E os fracos como o PS, os sindicatos e mesmo as confederações patronais, tinham de ser postos à margem porque não eram confiáveis. Ficavam apenas, dentro do círculo do poder, o sector financeiro, e a elite dos "sempre os mesmos", que circulavam de governo para governo, da banca, das consultoras financeiras e dos grandes escritórios de advogados. Mas isso era natural, porque o "programa" da troika e de Passos Coelho era o deles.


A recusa do "consenso" não foi o resultado de o Governo ser desajeitado, ou demasiado convencido, ou um "erro de comunicação". Foi uma opção de fundo inteiramente consistente com um radicalismo que exigia fidelidade e zelo dos fiéis e dos convertidos, mas não tinha lugar para mais ninguém. E assim se começou a destruir o espaço de manobra que existia em 2011. 


E esse é o segundo acto desta história. Fica para depois.

(url)


O MATERIAL TEM SEMPRE RAZÃO (15): LE GUIGNOL



"Pedro Passos Coelho e Paulo Portas estiveram esta tarde reunidos com os deputados do PSD e do CDS,  e apresentaram-se com discursos perfeitamente sintonizados, de acordo com fontes que assistiram à reunião, à porta fechada. Nem um nem outro se referiu directamente às divergências dos últimos dias por causa da taxa sobre as pensões de reforma (...) À saída da reunião, os líderes das duas bancadas parlamentares sublinharam a "coesão desta coligação".

 (Expresso)

(url)


O MATERIAL TEM SEMPRE RAZÃO (14)




No parlamento, questionado por António José Seguro sobre a retroactividade das pensões, Passos Coelho diz-lhe que só responde a essa pergunta se Seguro falar das alternativas à política governamental. E depois o debate continuou normalmente. Normalmente Normalmente o parlamento coloca no mesmo plano um deputado que não tem nenhuma obrigação de responder a qualquer pergunta do Primeiro-ministro, com um Primeiro-ministro que "responde" perante o parlamento como sua obrigação institucional. Está tudo ao contrário, mas é assim que se vive nos dias de hoje.


(url)


SEMPER IDEM: 25 DE AGOSTO DE 2003

 
”DECISÕES TERRORISTAS” – Conclusão

(A propósito de um texto de Paulo Varela Gomes no cristóvão-de-moura. No Abrupto, lá para baixo, estão as outras duas partes.)

Interpretar a história como uma sucessão de actos únicos, sujeitos apenas à vontade dos seus agentes, feitos para “além do bem e do mal”, é bastante atractivo. O actual terrorismo apocalíptico vai aí buscar uma das sua fontes, por via do “excesso” religioso, da ideia de “martírio” , não por acreditar na irracionalidade da história, mas por acreditar na racionalidade do terror. É contraditório, mas muitas vezes é assim.

Eu não tenho a certeza que a história não seja fundamentalmente irracional, até por outras razões. Basta que se abandone qualquer transcendência, qualquer destino manifesto, qualquer variante hegeliana da História com H grande, seja marxista, seja cristã (como em Teilhard de Chardin) . Tira-se a teleologia e ficam os humanos com o ónus de fazerem a história, ficando os humanos, é o que se vê.

Basta que se considere que o homem não tem qualquer garantia divina para a sua sobrevivência, para se perceber que, desde que possui armas termo – nucleares, tem elevadas probabilidades de se estourar a si próprio – é só uma questão de tempo. Este é aliás o único problema filosófico radicalmente novo que penso não estar presente na tradição clássica grega. (Penso também, mas isto é um desvio, que foi a Bomba, como se escrevia nos anos cinquenta, que dissolveu interiormente todas as teorias da história triunfante com H grande.). Se nos podemos matar a todos, numa esquina da história, toda a história fica, retrospectivamente sem sentido, e é um gigantesco delírio do acaso, uma absoluta irracionalidade face ao domínio da morte, da entropia.

Repito agora a frase anterior, com um acrescento para mim fundamental: eu não tenho a certeza que a história não seja fundamentalmente irracional, mas quero viver e actuar como se não fosse. Não me interessa, a não ser do ponto de vista cientifico, o que a história é ou pode ser, au grand complet , porque não pretendo ter como programa de vida qualquer vazio, mas um mais humilde programa de sobrevivência. Digamos que sou agnóstico quanto aos fins da história, mas crente na sua racionalidade possível e fragmentária . Dito de forma abrupta: eu não acredito que haja progresso, mas entre um mundo sem anestesia e outro com anestesia , há para mim uma diferença abissal.

Isso talvez me torne numa espécie mais complicada do que os voluntaristas brutos de PVG, num voluntarista cultural ou simbólico, que actua perante as coisas por via de uma teatro, de uma ficção, que resulta tanto mais quanto o maior número de pessoas aceite representa-la, sempre sem qualquer garantia de sucesso final. Mas há uma razão para que eu queira viver assim: é que se houver um número significativo de pessoas a fazerem o mesmo, criam à sua volta uma ecologia mais saudável, menos violenta, mais vivível e já não é mau que o consigam em determinados espaços e durante determinados períodos de tempo. Talvez haja uma massa crítica nestas coisas e se consiga tornar o mundo melhor por pequenos períodos de tempo, para um cada vez maior número de pessoas. Talvez.

É por isso que, do meu ponto de vista, posso decidir com a mesma firmeza que PVG atribui às suas personagens nietzschianas, apenas fundado numa filosofia pragmática, para tempos difíceis, sem pretensões sistemáticas. Não preciso de grandes certezas, nem de especiais “músculos da vontade”, mas apenas de um discernimento quase de bom senso, uma filosofia mais do lado humilde da anestesia, pela anestesia, por mil e uma pequenas anestesias, incluindo o bem-estar, a liberdade, a democracia, a felicidade. Pode ser tudo precário, pode ser um esbracejar ilusório, mas não troco e luto, se for preciso, para que não me obriguem a trocar.

E isso diz-me que há “decisões” que, mesmo implicando em última ratio a violência, não são “terroristas” porque são contra o mundo do sistema da morte, contra o apocalipse now, a favor do império da anestesia e contra o do da kalashnikov.
 
 (Escolha de João Francisco)

(url)


SEMPER IDEM: 6 DE ABRIL DE 2009

 
ASTRONOMIA E ANOMIA

Dante tinha as sua razões em colocar o Inferno em baixo, o Paraíso em cima, e o Purgatório no meio. A geografia do mundo acabava assim por ser uma escala moral, entre a perdição e a salvação. E nós no meio. Bem no meio, a sermos testados pelo último teste, ou se cai, ou se sobe. Aqui, em Constância, no Centro de Ciência Viva, no Ano da Astronomia, sempre se pode subir, sempre podemos, de vez em quando, dar-nos ao luxo de escapar.

É escapismo, mas é escapismo bom. Olha-se para as estrelas, de onde vêm sempre as mesmas mensagens: isto é demasiado grande para a tua cabeça, isto tem demasiado tempo para o teu corpo, isto é demasiado longe para teres esperança de cá chegar: Isto, no pleno e absoluto sentido do termo, escapa-te e porque te escapa podes também escapar-te para estas andanças, que nunca te perdes. Contempla, que já não é mau. Há cem poemas bons sobre isto e umas centenas de milhares péssimos, mas olhar para cima ainda vale a pena. Lá por baixo no Inferno, as fábricas despedem, a gente empobrece, a verdade é espécie rara, a mentira é oficial e oficiosa, a liberdade é escassa, anda tudo ao seu e nós ao nosso, mas aqui reina uma verdade muito especial. Há aqui algo que nos foge de uma forma muito radical, mas sem o qual não somos o que somos. Eu sou muito pouco prometeico, mas se há fogo divino, está nas estrelas, e se há pavor, está no espaço negro entre elas.

As cúpulas dos telescópios voltam-se para o lado mais escuro, para a encosta mais ventosa, para o friso negro das copas das árvores. Do outro lado há mais luz, lembrando-nos que já quase não há lugar sobre a Terra que seja escuro, onde os homens não poluam luminosamente o espaço. Não está uma noite muito boa para observações astronómicas. A Lua já tem o lado mentiroso bem saliente e diz que vai diminuir enquanto cresce. A luz fria e metálica enche o céu, e só para longe dela se vêem estrelas. Há névoa. Não se percebe sequer a Via Láctea, e muitas da melhores constelações estão ou demasiado baixo já no ocaso ou no nascimento. Oríon está já escondida, a Cassiopeia por nascer. As Ursas estão lá sempre, mas é essa a sua condição.

O nosso astrónomo residente, Máximo Ferreira, dedica-se ao seu ofício. Abre as cúpulas para que se estabilize a temperatura dos telescópios e os espelhos se habituem ao frio cortante. O vento rouba qualquer calor residual nas faces e nas mãos. Isto da astronomia tem ofício, antes de ter saber. Os aparelhos são especialmente delicados, têm que ser ajustados, calibrados, os seus movimentos acompanhados pela ranhura da cúpula. Um feixe de laser que parece ir directo da Terra a Saturno aponta o alvo. Lembrei-me do Ícone da Escada Celestial de São João Klimakos.

Saturno lá está com os anéis vistos de lado, como se fossem uma linha que atravessa o planeta, na constelação de Leão. Alguns satélites são visíveis no mesmo plano dos anéis. E por lá anda a sonda Cassini, que nos últimos dias fotografou Dione e mapeou ainda com mais detalhe Titã, com os seus lagos e rios (?) de metano. Chove metano em Hotei Arcus em Titã, e isto é não-ficção científica. Em Encélado, a sua jovem superfície brilha e nas cinquenta e duas luas que dançam à volta de Saturno, há mil e uma coisas diferentes para estudar, compreender ou desaprender. É como nos livros, nunca é maçador.

Depois vê-se o M13, o objecto catalogado por Messier com o número 13, um enxame de estrelas na constelação de Hércules. Já estamos no limite do que se pode ver com o olho humano. Foi para este grupo de centenas de milhares de estrelas, envelhecidas, com muita história para contar, que nós tentamos falar em 1974 a partir do radiotelescópio de Arecibo, dizendo coisas simples e complicadas ao mesmo tempo: que contamos de 1 a 10, que somos feitos a partir de um código inscrito no ADN, que somos como somos, dois braços, pernas, cabeça, que vivemos num sistema à volta do Sol e que falamos a partir de um enorme prato entre montanhas. Daqui a 50.000 anos saberemos se há resposta. Podia ser pior, podia ser mais longe.

Quando, (...) escreveu que enviámos a informação de que «contamos de 1 a 10», bom... uma civilização capaz de enviar uma mensagem a outra civilização a dezenas de milhar de anos-luz de distância é capaz certamente de fazer bastante mais do que contar de 1 a 10. O que lhes dissemos que trabalhamos em base 10.

(José Carlos Santos)
E, por fim, a Lua, que não deixava os seus méritos por telescópios alheios, enchia a ocular com cerca de 60 por cento da sua superfície visível, mostrando o que 51 centímetros de abertura podem fazer. Os mares e as crateras sobrepostas com uma perfeição geométrica, os tons de cinzento e negro, parecem familiares vistos de longe. De perto, a gente percebe que aquilo está bastante morto, já para não dizer que está totalmente morto, que é uma coisa que não há na natureza. Mas bastante morto, há.

Lá em cima, no Alto de Santa Bárbara, a santa protectora contra as tempestades, a senhora dos trovões, a Terra parece demasiado irreal. Ao fim de ver a Lua em grande, a M13 e o seu enxame de estrelas, e o glorioso Saturno, a noite parece outra coisa. Mas, como se sabe, tudo o que sobe tem que descer. E cá em baixo não está Constância, nem o Tejo, nem os pára-quedistas de Tancos, nem os tanques da Brigada Mista, nem os agricultores das terras ribeirinhas, nem as recordações árabes do Castelo de Almourol. Está o nosso primeiro-ministro mais o seu Freeport, a guerra entre procuradores, a agitação em que andamos todos, o som e a fúria que cresce dos subterrâneos do desemprego, os bancos vilões e os banqueiros moralmente débeis, os demagogos do Bloco, a multidão de economistas a explicar a "crise", as trivialidades da vida de todos os dias, os acidentes na Segunda Circular, os engarrafamentos da Ponte, a histeria das "causas fracturantes", o barulho dos blogues, o silêncio dos que sabem de mais, a logomaquia dos que sabem de menos. Mas é assim, somos o que somos. Descemos sempre mais do que subimos. Mesmo que, no Ano Internacional da Astronomia, escapemos um pouco para longe. Faz bem.

(Escolha de João Soares)

(url)


EARLY MORNING BLOGS  


2317

"O primeiro efeito, ou consequência, da necessidade é o desprezo da honra; o segundo, a destruição da virtude."

(António Vieira)

(url)

9.5.13


SEMPER IDEM: 12 DE MAIO DE 2003

 
CONSTITUIÇÃO EUROPEIA
Quantos portugueses (quantos europeus ) sabem que um grupo de deputados , escolhidos mais ou menos confidencialmente pelas direcções partidárias , e um conjunto de representantes dos governos , estão a escrever aquilo que , em princípio , deveria ser o documento jurídico mais importante para todos os países da UE - uma Constituição . A primeira e fundamental questão devia ser : quem a pediu , quem a exigiu , que movimento de opinião consistente e generalizado , mostrou a sua necessidade ? Ninguém , apenas uma elite política europeísta e federalista a defendeu , debaixo de uma razoável indiferença da esmagadora maioria dos europeus.

Começou como quem não quer a coisa , por ser uma reflexão de "sábios" sobre a "unificação e simplificação" dos tratados , depois era suposto ser um "tratado constitucional" , hoje é uma Constituição e está a entrar na fase final dos trabalhos . A Convenção que a está a preparar , funciona sem votações e "por consenso" ( um absurdo revelador da sua composição ideológica e o que mostra até que ponto não representa a heterogeneidade das opiniões europeias ) . Esta Constituição pode muito bem vir a ser aprovada sem ninguém dar por ela , por governos que de há muito fazem tudo para retirar a discussão europeia da agenda política nacional , que tem medo de consultas e referendos . No caso português , parece que tudo se lhe rendeu , pelo efeito perverso de PSD , PS e PP terem hoje a mesma comunidade de silêncios europeus . O Presidente até já mostrou reticências públicas a que a Constituição da Convenção venha a ser referendada em Portugal e ninguém disse nada . Um dia adormecemos com a Constituição portuguesa e no outro acordamos com uma Constituição europeia , que é suposto ser "binding" da nossa .

Lembro aliás que um dos objectivos da Convenção não era tanto tomar o freio nos dentes e ir colocar os governos entre a Constituição e parede , mas proceder a um "grande debate europeu" sobre os Tratados - cujo não existe por desinteresse , e por sentimento de pouca necessidade . O que os "convencionais" chamam debates tem sido colóquios mais ou menos académicos , mais ou menos institucionais , onde todos os participantes são escolhidos pelos mesmos métodos de "consenso" com que funciona a Convenção . As opiniões críticas de todo o processo são cuidadosamente excluídas para produzir um efeito de inevitabilidade .

Daí , a segunda questão essencial : o cada vez maior défice democrático do processo europeu , retirado do debate político nacional e entregue cada vez mais apenas aos "europeístas" , que tem medo que o debate das suas propostas se transforme num debate "à inglesa" , exactamente o único país , goste-se ou não , onde se discutem estas questões

(Escolha de Vera Silva)

(url)


SEMPER IDEM: 12 DE JULHO DE 2007


NUNCA É TARDE PARA APRENDER: OS LOUCOS QUE QUEREM SABER TUDO

Simon Winchester, The Professor and the Madman, HarperCollins, 1998

Os autores de dicionários e enciclopédias tendem a enlouquecer com a tarefa. Esta é matéria que percebo muito bem, estando no ofício da referência. Cada entrada nova no meu dicionário-enciclopédia, a que dedico "o melhor dos meus dias", como se dizia antigamente, tem o hábito de se alargar por pelo menos mais três ou quatro entradas. Para cada entrada nova, parece haver mais dez à espreita. E quando se quer fichar tudo, registar tudo, o espaço por preencher tem tendência para aumentar à medida que campos e campos de palavras já enchem uma vastidão atrás. A regra é que atrás está sempre uma pequena vastidão e à frente uma gigantesca vastidão. Vejam lá como isto é pouco normal... Tudo isto exige um grão de loucura prévia, que tende a agravar-se.

Mas o caso do Dr. W. C. Minor, médico, militar, erudito, flautista, pintor de aguarelas e "lunático criminoso" vai um pouco mais longe. Os eruditos têm loucuras habitualmente mansas, mas o Dr. Minor estava internado perpetuamente porque um dia saiu à rua de pistola em punho e matou um desgraçado que lhe apareceu numa esquina, convencido que assim eliminava os seus "inimigos". Estes "inimigos" entravam-lhe à noite no quarto pelo soalho (mandou depois colocar um chão de zinco) ou pelos interstícios do telhado, pegavam nele e levavam-no para um qualquer bordel de Istambul, onde o obrigavam a praticar "actos imorais" com rapazes e raparigas. Noite, após noite, após noite. Já muitos anos depois de internado, o Dr. Minor resolveu castrar-se para ver se os seus "inimigos" o deixavam em paz. Não deixaram.
 
Pois este Dr. Minor, diagnosticado como tendo dementia praecox, agravada pelo traumatismo de ter assistido como médico militar a algumas selvajarias da Guerra Civil americana, preso num asilo inglês, durante décadas tornou-se o mais prolixo, preciso e rigoroso amador, entre os muitos que apoiavam a redacção de uma das mais gigantescas obras de erudição de sempre, o Oxford English Dictionary (OED). Durante anos, sem saber qual era a origem das ajudas preciosas que recebia - verbetes de palavras, apoiadas por citações quanto aos seus diferentes significados e primeiro uso conhecido por escrito - o outro doido, mas manso neste caso, o célebre editor do dicionário, James Murray, que se abalançou à tarefa de registar em papel uma língua, o inglês, cada vez tinha em maior consideração e utilidade as contribuições que recebia dum tal Dr. Minor que escrevia de Broadmoor. Mais tarde veio a descobrir que era um "lunático criminoso" que lhe enviava os verbetes cuidadosamente redigidos, apoiados em leituras de livros do século XVII e numa paixão pelas palavras sem paralelo. Murray encontrou em Minor alguém que percebia muito bem o objectivo do dicionário e se interessava não apenas pelos vocábulos raros e caídos em desuso, ou por regionalismos ignorados, como muito lexicógrafos amadores faziam, mas pelas palavras comuns e pelas finas gradações de significado que continham e que era suposto ficarem registadas nesse grande catálogo da língua.

Quando Murray veio a conhecer o Dr. Minor, uma história que correu mundo na época (primeira década do século XX) numa versão tablóide, tornou-se seu amigo e ajudou-o como pode a suportar melhor a sua doença e internamento. Ambos se correspondiam e durante vários anos, os contributos do Dr. Minor para o dicionário chegavam diariamente ao Scriptorium de Oxford onde uma equipa diligente ia arrumando em cacifos as muitas contribuições voluntárias que chegavam pelo correio de todo o lado. Mais de uma dezena de milhar de citações enviadas de Broadmoor pelo Dr. Minor fazem parte ainda hoje do OED .

(Escolha de António Bettencourt)

(url)


SEMPER IDEM: 9 DE OUTUBRO DE 2008


VER A NOITE


Hoje ainda mais mentirosa que ontem, a velha silvery moon,  que já tanta coisa fez ao contrário que não sabe falar direito, que nos engana com aquela luz branca batendo contra os loureiros, até junto às pedras do lago, como se não fosse noite como devia ser. Como devia ser.
 
(Escolha de A.)

(url)


SEMPER IDEM: 31 DE JANEIRO - 2 DE FEVEREIRO DE 2004


ORGULHO 6 / NOTAS SOBRE AS FORMAS DE SENSIBILIDADE ANTIGAS

Presunção. A presunção é o último grau do orgulho antes de entrarmos no pecado, nos graus do pecado. Bernardo sabe que agora já não é apenas a ilusão do “curioso”, a sua agitação, o seu progressivo autismo, a perda de exigência, a facilidade cómoda, o conforto psicológico que estão em causa. Agora trata-se de escolhas fora da graça divina, agora trata-se de cair numa vertente inclinada sem retorno.

Bernardo pergunta-se: com que mão escrevo? A que pune ou a que esquece? A do fogo ou a da água? Bernardo olha para a neve lá fora. Na primeira frase está a palavra “culpado”, porque Bernardo preza a severidade, uma alta exigência consigo próprio, detesta as flutuações do humor. (Não é de sensibilidades antigas que falamos?) O “culpado” continua a justificar-se, agora no patamar de se perder :

Je n'ai point fait cela; ou bien il dit: Je l'ai fait il est vrai, mais j'ai bien fait, ou si j'ai eu tort de le faire, la faute n'est pas grande, d'autant plus que je ne l'ai pas fait avec mauvaise intention.

Palavras, palavras servem para tudo – pensa o monge. Bernardo fora poeta na sua juventude, agora já não é. Sabe bem como há palavras para justificar tudo (como as minhas? Hesita). E continua:

Si, comme Adam et Ève, il est convaincu de l'avoir fait, il s'efforce d'en rejeter la faute sur un autre qui l'a conseillé. Or, comment celui qui entreprend avec cette audace de justifier les fautes les plus manifestes, pourra-t-il jamais aller découvrir avec humilité, à son abbé; les mauvaises pensées qui se glissent secrètement dans son coeur?

ORGULHO 7 / NOTAS SOBRE AS FORMAS DE SENSIBILIDADE ANTIGAS

Bernardo está cansado, tem febre, tem frio. Mas, no grau do orgulho sobre o qual está a escrever, estão as grandes verdades de Deus e da experiência humana dos erros do “curioso”, do “culpado”. Bernardo sabe que não está a escrever para ninguém. Passados meia dúzia de séculos, tempo irrisório para a verdade, ninguém sequer o vai entender. A sua pena paira no vazio, como a maldição que Jorge Luís Borges encontrou para Melanchton em “Um teólogo na Morte”:

Os anjos me disseram que, quando Melanchton morreu, lhe foi oferecida no outro mundo uma casa ilusoriamente igual àquela que possuíra na Terra. (A quase todos os recém-chegados à eternidade acontece o mesmo e por isso acreditam que não morreram). Os objetos domésticos eram iguais: a mesa, a escrivaninha com suas gavetas, a biblioteca. Quando Melanchton despertou nessa casa, reatou suas tarefas literárias como se não fosse um morto e escreveu durante alguns dias sobre a salvação pela fé. Como era seu hábito, não disse uma palavra sobre a caridade. Os anjos notaram essa omissão e mandaram pessoas a interrogá-lo. Melanchton lhes falou: "Demonstrei de maneira irrefutável que a alma pode dispensar a caridade e que para entrar no céu basta a fé". Dizia isso com soberba e não sabia que já estava morto e que seu lugar não era o céu. Quando os anjos ouviram essa afirmativa o abandonaram.

Em poucas semanas, os móveis começaram a se encantar até se tornarem invisíveis, com exceção da poltrona, da mesa, das folhas de papel e do tinteiro. Além disso, as paredes do aposento se mancharam de cal e o assoalho de um verniz amarelo. Sua própria roupa já estava muito mais ordinária. Continuava, entretanto, escrevendo, mas como persistia na negação da caridade, foi transferido para uma sala subterrânea, onde estavam outros teólogos como ele. Ali ficou preso alguns dias e começou a duvidar de sua tese e lhe deram permissão de voltar. A roupa que vestia era de couro cru, mas procurou imaginar que a que tivera antes fora uma simples alucinação e continuou elevando a fé e denegrindo a caridade. Uma tarde, sentiu frio. Então percorreu a casa e comprovou que as demais peças já não correspondiam às de sua casa na Terra. Uma delas estava cheia de instrumentos desconhecidos; outra estava tão reduzida que era impossível entrar nela; outra não tinha sofrido modificação, mas suas janelas e portas davam para grandes dunas. A do fundo estava cheia de pessoas que o adoravam e lhe repetiam que nenhum teólogo era tão sábio quanto ele. Essa adoração agradou-o, mas como uma das pessoas não tinha rosto e outras pareciam mortas, acabou se aborrecendo e desconfiando delas. Determinou-se então a escrever um elogio da caridade, mas as páginas que escrevia hoje apareciam apagadas amanhã. Isso aconteceu porque eram feitas sem convicção.

Recebia muitas visitas de gente morta recentemente, mas sentia vergonha de mostrar-se num lugar tão sórdido. Para fazer-lhes crer que estava no céu, entrou em acordo com um feiticeiro dos que estavam na peça dos fundos, e este os enganava com simulacros de esplendor e serenidade. Era só as visitas se retirarem, reapareciam a pobreza e a cal; às vezes isso acontecia um pouco antes.

As últimas notícias de Melanchton dizem que o mágico e um dos homens sem rosto o levaram até as dunas e que agora ele é como que um criado dos demônios.


Mas Bernardo tem uma missão, como Melanchton. Agora defronta um dos mais intímos sinais do pecado do orgulho: as “desculpas”, a que o Profeta chamava as “palavras da malícia”. 

ORGULHO 8 / NOTAS SOBRE AS FORMAS ANTIGAS DE SENSIBILIDADE

Bernardo tem agora pressa de acabar. Já tudo voa baixo. O corvo pousou no chão, não na árvore. Os presságios acumulam-se. Ontem, ao fim da tarde, um grupo de pássaros começou de repente a cantar sem nexo, quebrando o silêncio. Bernardo pensou que a sua voz era a das almas perdidas no Inferno. Pensou na Virgem para afastar o mal. Pensou: para que faço eu isto, se não vale a pena? O demónio terá sempre melhor colheita, os tempos estão para a “ligeireza do espírito”. Olhou outra vez para fora, para a neve, com o mesmo olhar com que, anos mais tarde, escolheu o vale da amargura, o Vallée d'Absinthe, para construir, com os seus onze companheiros, a sua abadia.

Recomeçou. Encheu-se da crueldade de Deus, para além do cansaço, da febre e da doença, e continuou a falar do orgulho. Bernardo sabia que o orgulho era , por assim dizer, “dialéctico”. Faz parte da sua infinita plasticidade fazer de conta que sofria, que hesitava, quando já tinha em si a direcção do pecado. Escreveu:

"Il y a des personnes qui, lorsqu'elles s’entendent reprocher des choses par trop manifestes, comprennent que, si elles entreprennent de se justifier, elles ne réussissent point à se faire croire, ont recours à un moyen plus subtil de se tirer d'affaire, et répondent par un aveu plein de fourberie de leur faute: « Il en est en effet, est-il écrit, qui s'humilient malicieusement et dont le fond du coeur est plein de tromperie (Eccli., XIX, 23). » Ils baissent les yeux, courbent la tête et font briller, s'ils le peuvent, une ou deux larmes ; leur voix est étouffée par les soupirs et leurs paroles sont entrecoupées par les sanglots”

ORGULHO 9 / NOTAS SOBRE AS FORMAS ANTIGAS DE SENSIBILIDADE

Na noite, Bernardo mostrou aos anjos o que já tinha escrito. Os anjos corrigiram uma frase:

Faz parte da sua infinita plasticidade [do orgulho] fazer de conta que sofria, que hesitava, quando já tinha em si a direcção do pecado.

Não é a “direcção do pecado”, é a convicção do pecado. O pecado convence. O “curioso” já fala com outra voz, já não é dele o que diz. Dentro dele só há ecos, vozes, sussurros, amabilidades, conveniências, usos, lixo da superficialidade, etiquetas da "ligeireza de espírito". Já tudo voa baixo.

Os anjos à noite visitavam-no porque Bernardo era fiel. Então corrigiu a frase e deu mais um passo no conhecimento do “curioso” que revela agora a sua face. E continou a escrever:

"Quelle confusion pour l'orgueilleux, quand sa supercherie est découverte, la paix de son âme et sa gloire amoindrie, sans que sa faute soit effacée pour cela? Il finit par être reconnu de tous et jugé par tous, et l’indignation est d'autant plus violente, alors qu'on découvre en même temps la fausseté de tout ce qu'on avait pensé d'abord de lui. " 
 
ORGULHO 10 / NOTAS SOBRE AS FORMAS ANTIGAS DE SENSIBILIDADE

Bernardo continua. Descoberta a sua “falsidade”, que faz o “curioso”? Revolta-se. O que é que ele pode fazer para se continuar a ver ao espelho? Revoltar-se, essa última ilusão do espírito, tão ao gosto do futuro, como Bernardo bem sabe:

Si celui qui en est arrivé là n'est pas touché de la grâce de Dieu (or ceux qui sont dans cet état en sont bien difficilement touchés), de façon à sa soumettre en silence au jugement que tout le monde porte de lui, il ne tarde point à devenir effronté et impudent, et à tomber par la rébellion, d'autant plus fâcheusement au dixième degré de l'orgueil, qu'il y tombe d'une manière tout à fait désespérée. Alors celui qui s'était contenté dans son arrogance de mépriser ses frères en secret, se mettant en révolte ouverte, méprise son supérieur même.

A convicção do pecado mostra-se então em todo o esplendor. O orgulhoso já não peca apenas, defende activamente a liberdade de pecar. Como dizem os Provérbios:

Quando o pecador caiu no fundo do abismo do pecado, ele despreza tudo”.

Perdeu as referências, o norte, a pedra. Antes, tinha na sua vida uma barra de ferro que o atravessava, que lhe dava consistência moral, que não o deixava afastar-se da visão divina. Pagava essa barra com as suas penitências, mas tinha uma direcção e uma paz. Os medos humanos dissipavam-se à volta da barra.

Agora, o mundo é feito de gelatina, um gigantesco bordel atrás do qual está uma dança macabra. Tudo agora se resume às pequenas trocas da vaidade, a exercícios de massagem do ego. O orgulhoso despreza agora o que o mantinha de pé. Conta a sua história a todos, e enaltece o valor da sua rebelião. Os demónios dão vozes a todos para lhe responderem que sim, que grande valor tem a rebelião do “curioso”. Ele sente-se bem à mesa da confusão das vozes, sem perceber em que coro já canta. Entrou no último grau do orgulho: o hábito de pecar.

Bernardo escreve o julgamento, próximo de fechar o seu tratado:

"Mais lorsque, par un terrible jugement de Dieu, les premiers crimes ont été suivis de i'impunité, on revient volontiers à ce qui a e procuré du plaisir et plus on y revient, plus on y trouve d'attrait. A mesure que la concupiscence se réveille, la raison s'endort et les chaînes de l'habitude se resserrent. Le malheureux est entraîné dans l'abîme du péché et livré à la tyrannie de ses vices; emporté par le torrent de ses désirs charnels, il oublie sa raison et la crainte de Dieu, et finit, l'insensé! par dire dans son coeur : « Il n'y a pas de Dieu (Psalm. XIII, 1)."

(Em seguida, quase a conclusão)
 

ORGULHO 11 / NOTAS SOBRE AS FORMAS ANTIGAS DE SENSIBILIDADE

Bernardo chegou ao fim do seu tratado. Intitulou-o De Gradibus Superbiae et Humilitatis, e confessa que sabe falar melhor do orgulho do que da humildade:

Peut-être, frère Geoffroy, en voyant que j'ai décrit les degrés de l'orgueil, au lieu de ceux de l'humilité, direz-vous que j'ai fait autre chose que ce que vous attendiez de moi et que je vous avais promis. A cela je répondrai que je ne puis vous enseigner que ce que j'ai appris et qu'il ne me semblait pas qu'il m'appartînt de vous décrire les degrés ascendants, quand je sais beaucoup mieux descendre que monter.

Na sua cela, Bernardo está agitado. Chegou ao fim do seu texto, mas não sabe como acabá-lo. Deve orar ou pedir a Deus um milagre salvífico, ou descansar pelo dever cumprido de açoitar os pecadores? Como é que se confrontam os pecadores que têm a voz do pecado, que assumem a identidade do pecado, que têm uma forma tão própria de pecado que este se lhes entranha no corpo todo, aqueles para quem pecar é um “orgulho”?

Ele acredita pouco na sua redenção, embora saiba que o tempo os tornará amargos e desesperados. Todos os espelhos lhes mostrarão o tempo, todos os relógios tocarão cada vez mais alto. Todas as palavras soarão a falso se repetidas. O iníquo repetirá tudo, repetirá mil vezes tudo, num esforço intenso de esquecer o que disse a Deus, o que prometeu a Deus, mas a língua saberá cada vez mais a areia e ele sente as palavras a caírem de velhas. Uma maldição antiga o persegue: de cada vez que olha para uma árvore, uma folha cai para recusar o seu olhar.

Talvez o tempo os ensine, o passar dos dias, a diferença entre o convívio com as vozes “ligeiras” e a alegria pura dos Momentos. Mas Lúcifer distribuirá as águas do esquecimento com abundância e as distracções são muitas.

Bernardo escreve então dois capítulos totalmente confusos. Percebe-se que ele quer rigor e impiedade, mas que a sombra da Virgem lhe pede caridade. Pede orações e desaconselha orações, revela a surpresa de Deus, actuando ao acaso e onde menos era previsto, salvando uns e poupando outros. Colecciona citações da Bíblia sem grande nexo. A Virgem lembra-lhe que ele ainda tem um pequeno fio de ferro na mão. Bernardo acaba então o seu tratado, sem verdadeiro fim, mas com a convicção que não falará mais disso. Ponto.

En effet, si en allant à Rome vous rencontrez un homme qui en revient et que vous lui demandiez la route qui y mène, pourra-t-il vous en enseigner une meilleure que celle par laquelle il en vient? En vous disant par quels châteaux, quelles villas, quelles villes, quels fleuves et quelles montagnes il a passé, il vous indique en même temps le chemin qu'il a parcouru et celui que vous devez suivre à votre tour, en sorte que vous devrez, en allant à Rome, passer par les mêmes endroits qu'il a traversés pour en venir. Ainsi, peut-être, dans mes degrés descendants trouverez-vous les degrés ascendants que vous reconnaîtrez en les gravissant, beaucoup mieux dans votre coeur que dans mon écrit. “

Assim seja.
 

(url)

© José Pacheco Pereira
Site Meter [Powered by Blogger]