ABRUPTO

30.6.12

(url)


FUJAM DAS MEDIDAS GRÁTIS OU BARATAS 

Uma das coisas de que se deve fugir a sete pés é a tendência dos governantes para tomarem medidas grátis ou baratas quando não há dinheiro para fazer qualquer outra coisa. É infelizmente uma prática habitual nos ministérios mais apertados pelas restrições financeiras e destinam-se a mostrar que o Ministro existe mesmo, e não é um fantasma que vagueia pelas salas. Há assim duas políticas: as reais, que são os cortes, e a fictícia que são as medidas grátis e baratas. Em áreas como a cultura, a educação e a justiça, está-se cada vez mais neste terreno perigoso do fictício. 

Infelizmente os resultados desta prática são conhecidos: ou se estraga o que está a funcionar bem em nome de qualquer melhoria utópica, ou acaba por se gastar muito mais dinheiro com aquilo que aparentemente se apresentava como sendo grátis ou a “custo zero” como agora se diz. Nem que seja pela instabilidade legislativa, as coisas ficam piores. E depois ficam piores porque estas medidas tendem a ser desgarradas e não coerentes e sem mudar o edifício, enfraquecem-no. De um modo geral reforça-se o intervencionismo do estado, e diminui-se a liberdade das pessoas e da economia. Há excepções, mas esta é a regra.

(url)


EARLY MORNING BLOGS   
2229
 
The mass of men serve the state thus, not as men mainly, but as machines, with their bodies. They are the standing army, and the militia, jailers, constables, posse comitatus, etc. In most cases there is no free exercise whatever of the judgment or of the moral sense; but they put themselves on a level with wood and earth and stones; and wooden men can perhaps be manufactured that will serve the purpose as well. Such command no more respect than men of straw or a lump of dirt. They have the same sort of worth only as horses and dogs. Yet such as these even are commonly esteemed good citizens. Others, as most legislators, politicians, lawyers, ministers, and office-holders, serve the state chiefly with their heads; and, as they rarely make any moral distinctions, they are as likely to serve the devil, without intending it, as God. A very few, as heroes, patriots, martyrs, reformers in the great sense, and men, serve the state with their consciences also, and so necessarily resist it for the most part; and they are commonly treated as enemies by it. 

(Thoreau)

(url)

29.6.12


SÍNDROME DO ANO SEGUINTE

 É sempre no ano seguinte. Em 2008, este era o ano de todas as dificuldades, no ano seguinte ia melhorar. Em 2009, estávamos no pico da crise, no ano seguinte ia-se partir para outra. Em 2010, tinham que ser tomadas as medidas mais duras, a partir do ano seguinte começavam-se a ver os efeitos positivos. Em 2011, era o “pior dos anos”, depois no ano seguinte começava a “recuperação”. Em 2012, atravessamos o “momento mais difícil”, mas no ano seguinte começamos a “crescer”. Tenho poucas dúvidas sobre o que nos vai ser dito em 2013. 

 Não admira que as pessoas odeiem o presente. É que começam a perceber que o futuro é igual ao presente, por muito que os enganem sobre ele. Estão presas no presente, como se de um pântano se tratasse. Ninguém é feliz dentro de um pântano. E pensam, no meio da atmosfera miasmática, das sanguessugas e das cobras, e do lodo, “falem-me de tudo menos do ano seguinte”. O “ano seguinte” é sempre este.

(url)

26.6.12


ANACRONISMO


Há cem anos, que não é assim um tempo muito distante - estamos a falar, grosso modo, dos tempos da Primeira Guerra, cujos últimos combatentes morreram na última década - os livros da biblioteca familiar estavam numa casa grande no Porto, perdidos que foram os palácios e vendidas que estavam a ser as grandes quintas do Douro. Nada de especial. Depois, algumas décadas depois, a biblioteca estava em casas cada vez mais pequenas, o que dava a sensação de que tinha aumentado. Os livros eram mais, mas não muitos mais, enquanto o espaço era cada vez menos.

Depois houve uma fase de divisão, não tanto porque o núcleo central da biblioteca fosse alguma vez dividido, escapando por milagre a heranças e a herdeiros, mas porque uma biblioteca tem o efeito de gerar bibliófilos ou, pelo menos, tem uma probabilidade considerável de criar um respeito pelos livros que tendem a deixá-la mais ou menos intacta. Nada é perfeito, não funciona sempre, mas acontece e não é por acaso.

Nesta fase de divisão, ou mais propriamente de mitose, para usar uma imagem da biologia, uma nova biblioteca começa a formar-se paralela à primeira, num dos ramos da família, ou, como foi o caso, de pais para filhos. A geração anterior mantém a biblioteca original e a nova começa também a coleccionar livros. Depois, a morte torna de novo a unificar os livros numa casa comum, aumentando significativamente a biblioteca. Recordo-me de, após a morte súbita do meu avô, ir com o meu pai ao seu atelier - era um boémio contumaz e um desenhador de mérito -, e ver a um canto uma espécie de pirâmide que ia até ao tecto, e a sala tinha um grande pé-direito, feita de livros empilhados, todos comprados para além da biblioteca familiar. Juntaram-se aos que já havia, agravando o efeito dos livros como grandes devoradores do espaço e a tendência para ocuparem tudo o que está vazio. Se há horror ao vácuo, é nas bibliotecas. O espaço é o seu maior desejo, quase tanto como de ter mais livros, e o espaço é o seu mais caro investimento.

Um dos efeitos desse devorar contínuo do espaço é que à medida que as casas iam ficando mais pequenas, passavam para os arrumos os objectos que decoravam a biblioteca, e é isso de que vos vou falar, mais do que dos livros. Também porque se percebe até que ponto, e mais uma vez, como o "passado é um país estrangeiro".

Agora que a morte mais uma vez "unificou" a biblioteca, tive ocasião de encontrar nesses arrumos exactamente alguns dos objectos que, quando havia mais espaço, decoravam a sala ou as salas onde estavam os livros. Refiro-me a quadros, esculturas e objectos de decoração relacionados com os livros e os seus autores, e que estão a ser literalmente desenterrados do limbo a que as casas mais pequenas da cidade os condenavam. As casas e talvez o gosto, embora não esteja certo deste último factor, foram afastando estes objectos da sua relação original com os livros.

Um desses objectos é uma grande gravura de Victor Hugo, reproduzindo uma sua imagem célebre feita pelo conde Stanislaw. Vê-se um homem idoso, modestamente vestido, numa pose reclinada, que parece mais de cansaço do que de pensamento, ligeiramente despenteado e com um olhar ao mesmo tempo triste e penetrante. Esta é uma postura muito comum de Hugo, reproduzida em muitas imagens, gravuras e quadros, quase um trademark, como a imagem do velho Tolstoi com as suas barbas brancas e o seu fato de mujique.

Estava cheia de pó, tinha o vidro partido, mas a gravura está intacta. Pela sua dimensão, tinha que estar numa parede grande, com um papel de relevo, mostrando a enorme admiração que as gerações da segunda metade do século XIX tinham pelo escritor. Em Portugal era a mesma coisa, porque era numa casa portuguesa que o quadro estava exposto. Duvido que hoje alguém tivesse um quadro de um escritor contemporâneo - Hugo morreu em 1885, por isso é provável que estivesse vivo quando a sua imagem já ornamentava a biblioteca -, na sua casa. Não vejo que um Philip Roth, um Coetzee, um García Márquez, um Borges pudessem estar no mesmo lugar, e mesmo para os "grandes" deste século, Joyce, Mann, Eliot, seria bem pouco provável que ocupassem o lugar da admiração "burguesa" que explicava o Victor Hugo no espaço íntimo de uma casa oitocentista. Mas o autor de Os Miseráveis vai agora voltar a uma parede, limpo e restaurado, até um dia.


Depois há bustos vários, portugueses na sua maioria, que ornamentavam as estantes. Há um Herculano, anterior às comemorações do centenário em 1910, que produziram muitos bustos populares para as casas de republicanos, expostos ao lado da República de barrete frígio. Herculano mais que merece voltar a um novo lugar de honra, até pela imagem que sempre me fascinou de o imaginar a organizar o comboio de carros de bois a transportar os velhos livros dos mosteiros de Coimbra para o Porto. Alexandre Herculano, escritor e bibliotecário, amador de livros e papéis antigos, erudito, como poucos portugueses são ou foram, merece tutelar alguma velha estante de livros antigos.

Bem perto estará Castilho cego, outro busto comum nas bibliotecas oitocentistas, e outro autor a cuja enorme popularidade na época sucedeu um ocaso quase total. Castilho estava já presente na biblioteca por um edital publicitário encaixilhado do seu Curso de Língua Latina de 1851, que ele publicitava na terceira pessoa dizendo que o professor, ele mesmo, "tinha uma impagável assiduidade e paciência" e "portentosa eficácia". Devo enviar uma cópia ao Nuno Crato.



Castilho, não sendo um desconhecido e o seu nome e a sua cegueira conhecidas mesmo num público menos literato, em grande parte como pedagogo, devem-se contar pelos dedos das mãos, ou, vá lá, acrescento os pés, as pessoas que lêem hoje Castilho fora da academia. Eu sou um bom exemplo, porque, para além da Felicidade pela Agricultura, cujo título me atraiu, das polémicas, lidas do lado anti-Castilho, de algumas traduções dos autores clássicos, e de um outro poema numa antologia, nada mais. E ele escreveu bastante mais.

Por fim, escolhendo entre vários, há um prato de parede de bronze, na realidade um relevo, com uma representação de Molière. Este recordo-me de o ter visto sempre exposto, o que me surpreendia, porque apesar de a biblioteca ter uma grande colecção de livros franceses do século XVIII, e alguns do século XVII, não havia praticamente nada de Molière. O prato chegou à parede não por escolha literária, mas pelo bronze em si, com a efígie do autor com a sua enorme cabeleira, rodeado pelas musas Tália e Terpsícore.

Hugo, Herculano, Castilho e Molière são boas companhias para os livros. Podiam ser outros, mas o gosto antigo que os escolheu - porque todas estas coisas tiveram algum dia que ser compradas e é provável que algumas não fossem baratas - já acabou. Hugo e Molière são autores escolares e por isso de leitura obrigatória em França. Alguns livros de Hugo entraram profundamente no imaginário popular e por isso ele permanece em França um autor vivo. O mesmo acontece com Molière, cujas peças continuam a ser populares e periodicamente representadas. Alguns dos seus tipos também se tornaram populares e do misantropo aos "maridos confundidos", aos "cornudos" em geral, Molière está longe de ser apenas um autor escolar. Mas em Portugal só no Liceu Francês.

Em Portugal, Herculano e Castilho estão lá nos seus bustos, nos seus nomes de instituições, nos seus nomes de ruas e pouco mais. Herculano, um pouco melhor do que Castilho, mas também quase varrido, até nas escolas, pelos textos jornalísticos e sobre o Facebook, com que se pretende "atrair" os jovens para a literatura sem ser por textos com valor literário e artístico. Tempos. Por isso, nesta antiga biblioteca que me coube por sorte e por família, sem a qual seria outro, o anacronismo tem o seu papel. Nas paredes, nas estantes e nas leituras.

(Versão do Público de 23 de Junho de 2012.)

(url)


EARLY MORNING BLOGS   
2228
 

“Our country is the best country in the world. We are swimming in prosperity and our President is the best president in the world. We have larger apples and better cotton and faster and more beautiful machines. This makes us the greatest country in the world. Unemployment is a myth. Dissatisfaction is a fable. In preparatory school America is beautiful. It is the gem of the ocean and it is too bad. It is bad because people believe it all. Because they become indifferent. Because they marry and reproduce and vote and they know nothing.” 

( John Cheever)

(url)

25.6.12


RETRATOS DA CRISE


(Sandra Bernardo)

(url)


COISAS DA SÁBADO: AINDA TEMOS CONSTITUIÇÃO?


A pergunta tem todo o sentido. Durante anos foi-nos dito que a Constituição portuguesa defendia os “direitos adquiridos”, impedia o livre despedimento dos trabalhadores, protegia o trabalho, impedia os despedimentos na função pública, o corte de salários, etc., etc. Este era aliás um dos grandes argumentos contra o “sistema” que a Constituição protegia. Alberto João Jardim fez a parte mais lúcida da sua acção politica denunciando esse “sistema”. 

Mas agora afinal verifica-se que tudo isto é possível com a “Constituição que temos”, como pejorativamente se dizia. Das três uma, ou a Constituição mudou sem nós sabermos, ou não era o que as sumidades do direito constitucional diziam que era, ou então não vale nada, existir ou não é a mesma coisa.

(url)


ESPÍRITO DO TEMPO:  HOJE

Passagem do tempo por um banco do jardim de S. Amaro. (RM)

(url)

23.6.12


COISAS DA SÁBADO: POLÍTICA E FUTEBOL 


É particularmente interessante ver como o comentário sobre a nossa participação futebolística no Euro 2012 é mimético da política. Mais do que mimético, é uma projecção da política nacional sobre a equipa, o treinador, os jogos, os jogadores. A equipa é como o governo para os seus defensores, modesta, esforçada, colectiva, capaz de surpreender quando a intelligentsia do contra, não dá nada por ele(a). Está a fazer uma “revolução tranquila”. 

Os que a criticam são “treinadores de bancada”, essa figura típica do ódio nacional pela dissidência e da obsessão pelo “consenso”. Representam o pior do negativismo dos portugueses, estão ressabiados e gostariam de serem eles os treinadores. Para eles deve haver repúdio e a sombra da ignomínia e da traição à pátria. Se a equipa ganhar, cada vitória é vista como uma bofetada colectiva nos “descrentes”; quando perde, ou se salta com vigor para pisar os que estão em baixo, ou se desculpa tudo, porque os outros ainda foram piores e estes são apenas suficientes. E o suficiente é a nossa normalidade, quando não somos génios.

(url)


EARLY MORNING BLOGS   
2227
 

"Who do we Americans think we are? This is a cultural question, and it is worth asking: many of the great issues in American public life are ultimately cultural issues. The relation of the well-off to the poor; the meaning and the future of race and ethnicity; the degree to and manner in which we share responsibility for the aged, the sick, the needy; even our mission and place among the world's nations: all these depend on our sense of ourselves as a people -- that is, as a cultural reality. In other words, these social issues depend on how we remember ourselves. "

(Robert Pinsky, "poet laureate of the United States.")

(url)

22.6.12


COISAS DA SÁBADO: GRÉCIA


Mais uma vez ouve-se o ruído da asneira e da cegueira por toda a Europa, da Comissão, aos governos, à imprensa sempre mais europeísta do que os mais europeístas, sob a forma da frase: “a Europa respira de alívio com os resultados das eleições gregas”. Como é possível que nem sequer se pare para pensar um pouco para se perceber que as coisas na Grécia, e no euro, duas realidades distintas mas comunicantes, estão pior do que o que estavam? Como sabem os prudentes sempre que se perde mais uma oportunidade de resolver os problemas estes agravam-se. E nem sequer é líquido que as eleições gregas tenham sido uma oportunidade. 

Explico-me, coisa que nem valia a pena fazer, dado que bastava algum bom senso para lá chegar. O problema grego não está resolvido, porque o problema grego actual é que o programa que foi imposto à Grécia é impossível de cumprir. E como é impossível de cumprir, não será cumprido, nem pelo Syriza, nem pelo PASOK, nem pela Nova Democracia. O mal grego pode ter a ver com os gregos, mas o problema grego têm a ver com o programa da troika patrocinado pela UE, Alemanha à frente e troika atrás. A Europa não quer saber do mal grego a não ser para o punir, e tem enormes dores de cabeça com o problema grego, o que é natural porque é parte inteira dele. 

As eleições gregas não deram a maioria ao Syriza, o pavor dos círculos financeiros e governamentais europeus, por boas e más razões. As boas é que o programa real do Syriza é o retorno à autarcia e ao proteccionismo, na verdade o único programa genuíno que a esquerda tem na Europa. Escave-se fundo nas propostas da esquerda europeia, dispam-se das roupagens politicamente correctas e o que fica é um erigir de fronteiras face ao dumping social chinês, para manter o que resta do “modelo social europeu”. Se não for possível fazê-lo a nível da Europa, cada país tenderá a fazê-lo por si, com as excepções daqueles que vivem exactamente da globalização e da internacionalização. A Europa proteger-se-á da competição com os produtos chineses mais baratos, feitos com mão-de-obra quase escrava, as deslocalizações serão impedidas porque os seus produtos ficarão demasiado caros ao passarem pela pauta alfandegária, os consumidores pagarão mais caro, mas os salários permanecerão altos e a regalias sociais serão mantidas pelo menos para a presente geração. É uma solução errada, que não funcionará, mas é a única que existe à esquerda para garantir o “crescimento” assente num mercado único europeu protegido. 

 O Syriza não ganhou, mas quase. A continuarem as coisas como estão, ganhará para a próxima, após um período de caos social e de destruição do que sobra da economia, que é o que o governo fraco da Nova Democracia mais os seus aliados vão fazer para tentar cumprir com o programa da troika. E não vão conseguir, porque não é conseguível. É verdade que pode haver algum “alívio” nas exigências europeias como um prémio à Nova Democracia, mas mesmo esse bónus é uma vitória do Syriza e só reforça as suas teses. Aliás, tudo nos resultados eleitorais é bom para o Syriza, que pode, como “principal partido de oposição”, assistir à verificação das suas teses sem assumir responsabilidades de ser governo. 

Vai haver em Atenas um enorme cartaz a dizer a todos os gregos, “eu disse-vos que ia ser assim, da próxima vez não se deixem chantagear pelos alemães…” E é um cartaz eficaz, porque a realidade tem muita força.

(url)


ESPÍRITO DO TEMPO:  HOJE

Passagem do tempo por um banco do jardim de S. Amaro. (RM)

(url)


EARLY MORNING BLOGS   
2226

"The farther backward you can look, the farther forward you are likely to see."


(Winston Churchill)

(url)

18.6.12


AJUSTAMENTO


Nenhuma palavra traduz melhor os tempos que atravessamos do que "ajustamento". Em vez de se dizer que se cortam salários, diz-se que se "ajustam" salários. Em vez de se dizer que se despede, diz-se que se "ajusta" a mão-de-obra. Em vez de se dizer que se aumentam os impostos e se cortam despesas, diz-se que se "ajusta" o orçamento. "As empresas estão a fazer o ajustamento", o "país precisa deste ajustamento para crescer", "a economia está a ajustar-se", "o nosso país está a ajustar-se muito depressa", são algumas das frases que ouvi nos últimos dias por parte de alguns dos actuais detentores do poder.

A palavra é usada essencialmente como um eufemismo, para dizer aquilo que não se pode dizer, mas transporta consigo mais do que este uso instrumental corrente. Os seus melhores cultores nos dias de hoje, os "ajustadores" Vítor Gaspar, António Borges, Passos Coelho, por esta ordem, nem sequer se preocupam muito em usá-la como eufemismo, embora também o façam, mas sim como um instrumento conceptual para traduzir uma ideia sobre a economia, a sociedade, as pessoas.

Vinda do jargão das escolas de economia, o seu uso, como o de todas as palavras com papel central no discurso político, tem um significado em termos ideológicos. Como antes se dizia, não é neutra. A gente desfia-a, e com ela vem todo um programa e todo um pensamento. Uma das vantagens das humanidades, que os "ajustadores" naturalmente desprezam, é perceber demais o que palavras como esta significam, para as analisar exactamente onde elas estão a ser instrumentais: no discurso político.


Os historiadores encontram-nas com vários disfarces, muitas vezes onde os seus utilizadores menos contam encontrá-las, como seja na teorização marxista da economia e da sociedade. Um sociólogo não terá dificuldades em encontrar as suas background assumptions nunca enunciadas, e então para um filósofo, mesmo amador, há toda uma transparência, incómoda porque reveladora, do que está pressuposto neste discurso político. Um dicionário, como o Houaiss, ao elencar todos os seus significados, não deixa qualquer inocência para o seu uso neutro, asséptico, científico, que é o que os "ajustadores" pensam que existe.

É por isso que a sua ideologia é a da tecnocracia, e os seus mais ilustrados mentores - os dois primeiros da lista anterior de nomes - têm a convicção de que estão a enunciar uma verdade científica do tipo das leis de Newton, ou uma espécie de axioma de Euclides como o "todo é maior que as partes". Numa intervenção recente, António Borges falava das "leis da economia" como se estivesse a falar das leis da física. Ora, o problema é que nem há propriamente "leis da economia" unívocas, nem estas poderiam ser alguma vez semelhantes às da física, nem as da física são assim tão seguras, e nem sequer o "todo é maior que as partes" se aplica em toda a matemática. As coisas são fuzzy, cintilam demasiado e o "ajustamento" não tem certamente a dignidade religiosa de uma espécie de verdade revelada pelo deus da economia.


A um filósofo amador não escapa de imediato o principal grupo de pressupostos do "ajustamento": primeiro, o de que existe um estado "natural" da economia (da sociedade, das políticas, etc.) que foi violado, transgredido, ignorado; segundo, que essa violação do estado natural é perversa e provoca disfunções; e a terceira, a de que para voltar a esse estado "natural" é preciso realizar determinadas acções, umas e não outras. É isso que se chama "ajustamento". Já vamos em três coisas, the plot thickens. As coisas ou estão a complicar-se ou a tornar-se mais interessantes.

O filósofo amador continuará a dizer que no pensamento dos "ajustadores" há vários outros pressupostos que também têm de se aceitar como implícitos. O primeiro é que se sabe qual é esse estado "natural" e qual a natureza dos desvios. Alguns marxistas tiveram uma discussão semelhante quando queriam definir os "modos de produção", discutindo qual o "feudalismo" perfeito de que todos os outros se desviavam. E a resposta parece bizarra mas foi dada: o feudalismo perfeito estaria nos reinos dos cruzados, em que a importação do sistema económico-político feudal seria transposta by the book para o Krak dos Cavaleiros. Desse ponto de vista, o feudalismo francês teria de se "ajustar" ao modelo ideal da Terra Santa.

O enredo fica ainda mais complicado, ou, se se quiser, fica no fim mais simples. Muito bem, a economia portuguesa (a sociedade, o Estado, Portugal, convém sempre acrescentar porque o conceito de "ajustamento" está longe de ser meramente económico-financeiro) precisa de "ajustamento" porque "décadas" ou "anos", conforme as versões, a tiraram dos eixos do seu estado "natural". Mas se fizermos as perguntas certas em breve percebemos que a resposta está longe de ter que ver com as "leis da economia", mas com as menos conceituadas leis da política. 


Há quanto tempo é que nos "desviamos" do estado natural das coisas? Desde o segundo engenheiro Sócrates, o que existiu nos últimos dois anos do "socratismo"? Esta é a resposta politicamente correcta para a maioria do Governo e para o PS anti-Sócrates. Desde Santana Lopes? Isso alguns dizem, apoiados nesse exercício político que foi o relatório Constâncio. Desde Guterres? A multidão dos sins já avança a sério, e, se eu fosse da escola do "ajustamento", também começaria aqui. Desde Cavaco? Aqui unem-se os anticavaquistas do PSD, como a actual liderança, com os socialistas que querem meter Sócrates e Cavaco no mesmo saco, para lhe dar uma quota parte menor de responsabilidade. Soares escapa por causa da vinda do FMI e por ter apoiado Ernâni Lopes, mas bem vistas as coisas não deveria escapar. Desde o 25 de Abril? Esta é a tese dos saudosistas do dia 24, que acham que o país mais as colónias estavam em estado de desenvolvimento pujante, que a democracia "abrilista" estourou junto com o ouro do Banco de Portugal tão cuidadosamente guardado pelo Dr. Salazar. Não é verdade, mas eles não querem saber.

A dificuldade em dar esta resposta, mesmo quando há curvas estatísticas que parecem explícitas, vem de que não é em primeiro lugar uma questão económica, mas política, e os tecnocratas têm dificuldade em lidar com essa coisa impura. E depois, só se pode andar para trás e para a frente nos anos e nas décadas, abandonando o contexto que faz a história e que nos mostra como decisões inteiramente racionais em 1980, ou em 1990, podem ser tidas como absurdas em 2000 ou 2010. Ora nada existe num terreno a-histórico, a não ser as ideologias que se consideram científicas.

Eu sei a resposta dos "ajustadores" que se pode expor com alguma rudimentar simplicidade e correspondente brutalidade. Depois pode sofisticar-se, mas mais vale começar pelo curto, simples e bruto. Essa resposta é que não se deve gastar mais do que o que se ganha, receitas e despesas devem corresponder e é isso que está grosso modo no pacto financeiro da sra. Merkel para voltar com o azorrague alemão ao "estado natural" de que nos desviamos, o défice zero. 


Eu não diminuo o valor moral de não se gastar mais do que o que se ganha, mas não o transformo numa descrição do "estado natural" da economia. É bom princípio, mas não chega. Há dez anos era racional pagar um empréstimo da casa, em vez de um aluguer. Hoje não é, mas isso não torna irracional e irresponsável a decisão do passado. Os "ajustadores" hoje dirão que é "natural" que percam a casa, o emprego, o salário, porque isso é que é a "verdade" da economia, o preço da restituição pelo "ajustamento" à "verdade" de que a economia se desviou pela perversidade da política. Mas algum economista "ajustador" lhes disse há dez anos para não comprarem casa própria, para não se endividarem, porque iam perder o emprego na década de 2010? Nenhum, nem Medina Carreira.

Na verdade, a única economia que conta é a "economia política", que é aliás a de Adam Smith, Marx, Schumpeter, Keynes, Friedman, e tantos outros. E se há coisas que eles sabiam é que se existisse esse "estado natural" perfeito não haveria economia, e que há "ruído" nas sociedades humanas, e os economistas que não o ouvem são maus políticos. Não há "leis da economia", como não há "leis da sociedade", há pessoas, interesses, grupos, ideias, diferentes escolas e diferentes soluções, diferentes tempos e diferentes modos. Eu não sou relativista porque não penso que valha tudo o mesmo, e porque nós podemos escolher. Em democracia esta escolha faz-se pelo voto, e não se vota em teorias sobre as "leis da economia", nem em experiências de laboratório. Felizmente, o voto ainda não está "ajustado", apesar de alguns esforços europeus. Felizmente, a opinião ainda não está "ajustada", apesar de alguns esforços portugueses.

(Versão do Público de 16 de Junho de 2012.)

(url)


COISAS DA SÁBADO:  SÌRIA: UMA HISTÓRIA MAL CONTADA

 Como a Líbia, mais uma história muito mal contada pelos media. O modelo é o mesmo. Kadafi versus democratas de Bengasi, apoiados pela OTAN, tem agora um espelho em Bashar al-Assad assassino, apoiado pela Rússia, versus os manifestantes que querem uma Primavera síria. É uma história eficaz para encontrar bons e maus, logo é boa para a propaganda e a arregimentação moral. Mas é péssima para se perceber o que se passa. Como os jornalistas não revisitam os lugares das suas “histórias” quando estas perdem a novidade, como se passa no Egipto ou na Líbia, não têm que se defrontar com explicações um pouco mais exigentes sobre o que escreveram, e em particular, o que omitiram. Assim é fácil.

(url)

17.6.12


ESPÍRITO DO TEMPO:  HOJE

Passagem do tempo por um banco do jardim de S. Amaro. (RM)

(url)


COISAS DA SÁBADO: A RÚSSIA DE PUTIN 

 A UE não precisa de ir mais longe para encontrar autocracias em acto e em processo, com violação sistemática dos direitos humanos e das regras da democracia, bem perto de si. Basta ir às suas fronteiras de Leste, a Belarus, à Ucrânia e à Federação Russa, para encontrar perseguição de opositores, limitações à liberdade individual e de partidos políticos, repressão, corrupção generalizada e uso do estado para o enriquecimento das elites do poder e para monopolizar os meios de controlo de toda a sociedade, seja com a polícia, as forças armadas, passando pela economia e pelos media. O caso da Federação Russa é o mais grave de todos, porque se passa numa grande potência mundial com uma organização imperial e uma política externa que tende pouco a pouco a ser um remake da dos comunistas, e, como a destes, reproduz a organização do czarismo. A eleição de Putin, que se eterniza no poder, passando de Presidente a Primeiro-ministro e vice-versa, que age com mão de ferro quer para controlar o processo eleitoral, quer para perseguir todos os que se lhe opõe, vai agravar significativamente a situação, até porque está a surgir uma nova oposição nas ruas, numerosa, decidida e corajosa.

(url)


EARLY MORNING BLOGS   
2225 - A Poem of Unrest 

Men duly understand the river of life,
misconstruing it, as it widens and its cities grow
dark and denser, always farther away.
****
And of course that remote denseness suits
us, as lambs and clover might have
if things had been built to order differently.
****
But since I don't understand myself, only segments
of myself that misunderstand each other, there's no
reason for you to want to, no way you could
****
even if we both wanted it. Do those towers even exist?
We must look at it that way, along those lines
so the thought can erect itself, like plywood battlements.

(John Ashbery)


(url)

16.6.12

(url)


COISAS DA SÁBADO: A COLIGAÇÃO PSD-CDS 


Não é preciso ser especialmente bom observador para ir mais além do “a coligação funciona bem” do discurso oficial. Sim, é verdade que a coligação funciona bem porque os dois partidos têm o pescoço metido numa guilhotina comum e não podia deixar de ser de outra maneira. Caindo a lâmina, corta os dois pescoços, embora corpos sem cabeça abundem por aí a mexer-se como se a tivessem. Mas convenhamos que é uma parte importante do corpo, e ninguém gosta de ter que a transportar debaixo do braço. As necessidades de auto-preservação do PSD e do CDS, o mais poderoso sentimento colectivo dos partidos, exigem esse bom entendimento. Por aí não há novidades. 

No entanto, o modus operandi e o modus vivendi da coligação actual não é o mesmo da anterior coligação realizada por Durão Barroso em 2002. Nessa altura, a coligação fez-se após resultados eleitorais inesperados – Barroso estava convencido de que teria maioria absoluta – e resultou de uma imposição forçada desde o primeiro minuto da noite eleitoral por um CDS que quis criar um facto consumado. E um PSD que pretendia explorar outros caminhos mais minimalistas como por exemplo, um acordo parlamentar, cedeu por pressão de dirigentes mais à direita que de imediato aceitaram a política de facto consumado do CDS. Talvez por ter forçado a mão, o CDS precisava de se comportar exemplarmente e foi o que fez até aos últimos dias, já com Santana Lopes. Aí deu sinais bastantes de desconforto, para ajudar Jorge Sampaio na sua decisão. 

Mas esta coligação à volta de Durão Barroso colocou o CDS militantemente ao lado do PSD, usando todos os pretextos para mostrar que não hesitava um segundo em “ser parte” inteira e sem hesitações de um governo cujas responsabilidades assumiu por inteiro. Exactamente porque todos esperavam “problemas”, o CDS não tinha margem para provocar nenhum. A viragem à direita do PSD, que então se acentuou, favoreceu o entendimento, tornando mais fácil ao CDS a “lealdade” à coligação. O CDS por seu lado “virou” na questão europeia, mudando de 180º a sua posição. Até Santana Lopes, a coligação não podia ser mais perfeita. 

Hoje não é assim. Há coligação, “funciona bem”, mas é mais nítido que o governo se divide em duas áreas de actuação, o CDS numa, o PSD noutra, e cada um tenta mostrar o que vale em cada uma. Disse cada um, mas é mais o CDS que não abdica de aparecer como CDS na coligação, mostrando uma distância real com o destino comum. Em 2002, o destino comum era mesmo comum, hoje o destino comum é deixado para o PSD, que assumirá culpas em tudo o que não resultar, em particular na economia. Tal é facilitado pelas pastas governativas do CDS. 

 Enquanto em 2002, a viragem à direita do PSD facilitou o entendimento, em 2011, o CDS está bastante mais à esquerda do PSD, e deixa-o claramente sozinho no seu profetismo salvífico assente num rudimentar liberalismo económico e muito desconhecimento do país. Existe coligação como em 2002, mas o CDS permanece o CDS, marca o seu terreno. Talvez acabe por não valer nada, porque as paradas são muito altas, mas que o CDS tenta passar pelos pingos da chuva, tenta.

(url)


EARLY MORNING BLOGS   
2224

"Tudo é simples na guerra, mas mesmo as mais simples das coisas são difíceis. Estas dificuldades acumulam-se criando uma fricção que nenhum homem que não conheceu a guerra pode imaginar."

(Clausewitz)

(url)

13.6.12


EARLY MORNING BLOGS   
2223 - Of Many Worlds in This World 

Just like as in a nest of boxes round,
Degrees of sizes in each box are found:
So, in this world, may many others be
Thinner and less, and less still by degree:
Although they are not subject to our sense,
A world may be no bigger than two-pence.
Nature is curious, and such works may shape,
Which our dull senses easily escape:
For creatures, small as atoms, may there be,
If every one a creature’s figure bear.
If atoms four, a world can make, then see
What several worlds might in an ear-ring be:
For, millions of those atoms may be in
The head of one small, little, single pin.
And if thus small, then ladies may well wear
A world of worlds, as pendents in each ear.
 
(Margaret Cavendish)

(url)

12.6.12


ÍNDICE DO SITUACIONISMO (149)
A questão do situacionismo não é de conspiração, é de respiração.
E, nalguns casos, de respiração assistida.

O Prós e Contras da RTP tornou-se há muito tempo o paradigma do nome desta série: situacionismo. Foi, nos últimos  tempos do "socratismo", a voz do regime;  é a mesma voz do regime no ano de "passismo". É isso que é a RTP, a voz do dono.

Começa sempre, no elemento mais importante num programa como este, na escolha das pessoas a quem se dá o podium.  Sempre que se trata de um tema no âmago do poder, o poder está  representado pelos seus melhores defensores, a crítica ao poder  por  moderadíssimos e débeis representantes, com críticas secundárias e circunstanciais, e isto é nos melhores dias. Em muitos casos, o programa é Prós e Prós.

O programa de hoje é um  exemplo perfeito, onde, sem contraditório, se ouviu uma série de porta-vozes da política actual, de António Borges a António Vitorino. Sim, de António Borges, a quem não foi perguntado nada de incómodo, a António Vitorino que representa uma das vozes "responsáveis" do PS que em todos os momentos cobre sempre o governo em funções. Há  cinco, quatro, três, dois anos, ou seja, em termos históricos, HOJE, exactamente com a mesma voz grave e responsável, António Borges defendia a política suicidária do sistema financeiro que conduziu ao desastre cujos custos todos pagamos, e Vitorino não dizia nada de incómodo para Sócrates, a quem deu a caução completa e total. Hoje, estão a fazer o mesmo como ideólogos e parte activa do actual governo, e se as coisas não correrem como dizem que vão correr, haverá sempre um álibi europeu para os justificar. 

Eles estão lá sempre, e no entanto, nunca lá estão. Não é por acaso que este tipo de vozes é a preferida do Prós e Contras.

(url)

11.6.12


ESPÍRITO DO TEMPO:  HOJE

Passagem do tempo por um banco do jardim de S. Amaro. (RM)

(url)


SOBRE A "PACIÊNCIA" DO BOM POVO PORTUGUÊS


Eu já vejo com muitas reservas esta obsessão dos dias de hoje de atribuir estados de alma a toda a gente para explicar tudo e mais alguma coisa, e por isso sou avesso, por maioria de razão, a embarcar na ideia que o mesmo se possa fazer aos povos. Isso a propósito da "paciência" do povo português celebrada pelo primeiro-ministro como virtude ímpar numa Europa turbulenta.

Claro que se podem dizer muitas coisas sobre o "povo português": que está "zangado" com a crise, que está "furioso" com os políticos, que está "deprimido" com o empobrecimento forçado, que está "descrente" da democracia, que está "prostrado" pela inacção, que tem uma infinita "paciência". Há, no entanto, várias coisas que ninguém tem coragem de dizer e o problema dos excessos de psicologia impressionista começam aqui. Ninguém tem a coragem de dizer que o povo português está "contente" com o "ajustamento", que fica "feliz" porque passou a ter, como lhe dizem os governantes, que viver com os seus parcos recursos, e não pode viver mais do crédito (um parêntesis para dizer que um dos absurdos da actual situação que parece escapar a muitos é que todo este "ajustamento" se está a fazer "para o país voltar aos mercados", ou seja, para pedir mais dinheiro emprestado...), que está "consciente" de que o futuro do seu país é risonho após o termo desta "revolução dos costumes", que "compreende" que tem que sofrer para depois renascer como a Fénix.

Em vez da psicologia e dos estados de alma, prefiro a política. É por isso que a frase da "paciência" tem um duplo significado político: é um desejo, de que os portugueses se portem bem; e é uma ideia sobre o "estado" em que estão e também sobre o que são. É uma ideia sobre os portugueses. A primeira coisa é um desejo, que todos podem ter; a segunda, é uma ilusória ideia de que existe uma qualquer virtude essencial nos portugueses que consiste em "comerem e calarem". Ora isto é uma asneira monumental sob todos os pontos de vista, seja o do puro bom senso, seja histórico, seja sociológico, seja até, admirem-se, psicológico e psiquiátrico. Masoquistas, só às vezes e é pelo prazer, não é pelo chicote.

A comparação que fez D. Januário Torgal entre Passos e Salazar levou ao paroxismo a interpretação da frase da "paciência". Ora, se entendida como sendo uma comparação entre Passos Coelho e Salazar, como pessoas e políticos, não tem nenhuma razão de ser. Passos é um político democrático, a quem de certeza são completamente alheias as ideias conservadoras e antidemocráticas de Salazar e a quem não move qualquer impulso autoritário. Pode ser indiferente, como muitas pessoas da sua geração, perante os valores da liberdade que receberam já adquiridos, e que sempre conheceram como naturais, mas isso não o faz um ditador em potência.

O problema é outro, é que muitas ideias do nosso salazarismo de background impregnam muito mais do que se pensa o discurso público vulgar, aquele que não é muito elaborado e se desenvolve por aquilo que pensam ser evidências, sobre as quais nunca pensaram. Passos Coelho não é um caso especial, mas como é primeiro-ministro fica mais exposto. É o problema, também geracional, de uma formação política muito superficial, assente pouco mais do que leituras de jornais e em discursos estandardizados sobre Portugal e os portugueses. Esses discursos repetem, sem autoconsciência, como lugares-comuns, aquilo que no salazarismo era um pensamento contra, um ataque ao liberalismo político em nome de uma organicidade substancial do "povo português", que correspondia à visão rural e paroquial das virtudes dos portugueses.


Por isso, a frase polémica de D. Januário, se entendida como uma comparação entre a ideia de povo que tinha Salazar e que tem Passos Coelho, tem alguma razão de ser. Não tem toda, mas tem alguma. A principal razão que diferencia Salazar e Passos Coelho nessa apreciação comum da "bondade" do povo português é que Salazar a fazia com óbvio cinismo. Salazar pensava, como um típico produto da nossa ruralidade ancestral, com "manha", a forma do cinismo dos camponeses. Por isso, Salazar entendia que esse eventual estado natural de bondade do "povo português" não era assim tão forte que não precisasse de ser "protegido" pela polícia política e pela censura da contaminação vil da "política". Os portugueses eram bons, trabalhadores, aceitavam a pobreza virtuosa, assim como os bois no poema de Afonso Lopes Vieira, em que se pode tirar os "bois" e pôr os portugueses que dá o mesmo:

Os bois! Fortes e mansos, os boizinhos,

- leões com corações de passarinhos!


Os bois! Os grandes bois, esses gigantes,

tão amigos, tão úteis, tão possantes!

(...)

Mas vede os bois, também, nessa alegria

de trabalhar na terra à luz do dia!



Vede os bois a puxar ao arado, agora

que o lavrador conduz pelo campo fora!


Eis um canto de amor no ar se espalha:

- é a terra a cantar por quem trabalha!

(...)

Sem a sua força, sem a sua dor,

não estava rindo a terra toda em flor!...

Ora estes bois, fortes e poderosos, "leões com corações de passarinhos", são uma imagem do mesmo tipo de "paciência" que é suposto ter o bom povo português.

Há outras coisas a dizer sobre esta "paciência". Presumo que se afirma que o nosso povo está "paciente" porque não anda aí na rua a partir tudo, como se diz que os gregos fazem. De facto não anda, nem o povo português, nem o povo grego. Contrariamente às aparências que são dadas pela selecção de imagens que passam na televisão das ruas e praça fronteiras ao Parlamento grego, também seria injusto, e certamente errado, dizer que é o "povo grego" que anda ali a atirar cocktails Molotov à polícia. Claro que os gregos estão tudo menos "pacientes" com a troika e os alemães, mas a violência que transpira da Grécia é devida a uma mais forte implantação de grupos extremistas na vida política grega, à direita e à esquerda, que estava já lá antes da crise e veio ao de cima com a radicalização da situação. E se é por aqui que se diz dos portugueses que são "pacientes", então é só esperar algum tempo para deixar amadurecer os nossos grupos copycat que já estão aí em formação, a treinar-se e a ganhar coragem.

Por detrás deles, ou melhor, ao lado, os portugueses e os gregos não são muito diferentes. A maioria sofre calada e resignada, em particular quando parece não haver alternativas, mas isso não é "paciência", é realismo e bom senso. E é também muita fúria. Mas pensar que são como os bois de Afonso Lopes Vieira, "tão amigos, tão úteis, tão possantes", é uma ilusão de que se sai depressa.

Respeitar os portugueses não consiste em falar-lhes com uma mistura de complacência e paternalismo, mas estar ao lado deles com simpatia activa nas suas tribulações. Há poucas coisas mais comunicáveis do que a empatia, seja simpatia seja antipatia. Para ser entendida por todos não precisa de assessores, nem de agências de comunicação. Precisa apenas de existir. E o problema maior de "comunicação" deste governo é que preso nas suas ideias gerais e vagas sobre o país, preso nas suas ilusões sobre meia dúzia de receitas económicas, preso num profetismo adolescente, entre a fraca convicção e os lugares-comuns, que soçobrará a qualquer momento na parede dos factos, não consegue mostrar um grama de empatia sobre o sofrimento que assim se torna "dos outros".

É por isso que chamar "paciente" ao povo português parece mais um insulto do que um elogio. Duvido aliás que haja um único boi que não pense o mesmo do poema de Afonso Lopes Vieira.

(Versão do Público de 9 de Junho de 2012)

(url)


EARLY MORNING BLOGS   
2222

"Patience is a minor form of despair, disguised as a virtue."

(Ambrose Bierce)

(url)

9.6.12


(NOT SO) EARLY MORNING BLOGS   
2221 - The Tragic Condition of the Statue of Liberty

                                      A collaboration with Emma Lazarus

Give me your tired, your poor,
Your huddled masses yearning to breathe free,
The wretched refuse of your teeming shore.
Send these, the homeless, tempest-tost to me,
I lift my lamp beside the golden door!
Give me your gentrificatees of the Lower East Side including all the well-heeled young Europeans who’ll take apartments without leases
Give me your landlords, give me your cooperators
Give me the guys who sell the food and the computers to the public schools in District One
Give me the IRS-FBI-CIA men who don’t take election day off
Give me the certain members of the school board & give me the district superintendent
Give me all the greedy members of both american & foreign capitalist religious sects
Give me the parents of the punk people
Give me the guy who puts those stickers in the Rice Krispies
Give me the doctor who thinks his time is more valuable than mine and my daughter’s & the time of all the other non-doctors in this world
Give me the mayor, his mansion, and the president & his white house
Give me the cops who laugh and sneer at meetings where they demonstrate the new uses of mace and robots instead of the old murder against people who are being evicted
Give me the landlord’s sleazy lawyers and the deal-making judges in housing court & give me the landlord’s arsonist
Give me the known & unknown big important rich guys who now bank on our quaint neighborhood
Give me, forgive me, the writers who have already or want to write bestsellers in this country
Together we will go to restore Ellis Island, ravaged for years by wind, weather and vandals
I was surprised and saddened when I heard that the Statue of Liberty was in such a serious state of disrepair & I want to help
This is the most generous contribution I can afford.
 
(Bernardette Mayer)

(url)

© José Pacheco Pereira
Site Meter [Powered by Blogger]